Robbie Williams foi pai pela terceira vez através de uma barriga de aluguer

O cantor britânico surpreendeu ao anunciar que foi pai pela terceira vez. O intérprete de "Angels" e a mulher, Ayda Field, recorreram a uma barriga de aluguer, um processo que o casal manteve em segredo

Surpresa. O cantor Robbie Williams, de 44 anos, foi pai pela terceira vez. A mulher, Ayda Field, anunciou esta sexta-feira que a família aumentou com a chegada da bebé Colette Josephine, concebida através de maternidade de subsituição

O processo foi mantido em segredo pelo casal, pelo que a boa nova, dada pelas redes sociais, surpreendeu. "Temos mantido um segredo muito especial! Estamos muito felizes por poder partilhar que tivemos uma bebé. Bem-vinda ao mundo Colette (Coco) Josephine Williams", começa por escrever a atriz norte-americana, de 39 anos.

Na mesma publicação, Ayda Field explica a razão pela qual resolveram não revelar aos fãs que estavam à tentar aumentar a família e faz um agradecimento especial. "Foi uma aventura muito longa e difícil, e foi por isso que preferimos ser discretos. A família chega de todas as formas. Esta menina, que é nossa filha biológica, foi gerada através de uma incrível barriga de aluguer a quem estamos eternamente agradecidos".

"Estamos nas nuvens por ter esta linda bebé nas nossas vidas e muito agradecidos por vivermos num mundo que torna isto possível", escreveu Ayda Field, que publicou uma foto para ilustrar o momento que a família está a viver.

O intérprete de "Angels" é casado desde 2010 com a atriz norte-americana. Os dois, jurados no programa britânico "X Factor", são pais de Teddy, de cinco anos, e Charlton, de três.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.