Rivera toureou com a filha ao colo. Fotografia dividiu Espanha

A imagem que Francisco Rivera partilhou originou um debate nos media internacionais. Em Espanha, os seus colegas "matadores" decidiram imitá-lo em sinal de apoio.

"Irresponsável". Foi com este adjetivo que a maioria da imprensa internacional classificou a atitude de Francisco Rivera, depois deste ter partilhado uma imagem no Instagram onde surge a tourear um novilho com a filha Carmen, de cinco meses, ao colo. O toureiro viria a defender-se, alegando que essa é uma "tradição familiar" - ele é o filho do célebre Paquirri, o últimos dos matadores a morrer na arena [ver caixa] - e acabaria por partilhar uma imagem semelhante, em que está ao colo do pai, também este a tourear. O Defensor do Povo de Andaluzia condenou publicamente o comportamento de Rivera e disse estar a apurar as medidas a serem aplicadas a Francisco, que poderá mesmo ser chamado a tribunal "por deixar de cumprir com os deveres de assistência" a que está obrigado como pai, segundo o Código Penal espanhol, citado pelo site Vanitatis.

Do espanhol El País - que publica uma crónica em defesa de Rivera - ao britânico The Independent , passando pelo alemão Der Spiegel e ao norte-americano The Washington Post, a imagem e as reações que esta suscitou foram notícia nos principais jornais do mundo. O diário italiano La Repubblica falou com Matteo Nucci, um escritor italiano especializado em tauromaquia, que deixou a pergunta: "O que está a fazer Rivera Ordóñez, filho de um dos últimos toureiros mortos na arena?".

O jornal alemão Bild não deixa de reforçar a força da imagem: "São só poucos centímetros de distância entre o touro, com uma ferida cheia de sangue, e o bebé". E houve até quem comparasse a atitude de Fran Rivera à de Mickael Jackson, quando este se debruçou com o filho bebé, numa janela, em 2002. Foi ainda recordado que no verão passado, Francisco nem esteve presente no nascimento da filha, por estar a recuperar e um grave ferimento, sofrido enquanto toureava.

A par das críticas, outras vozes se levantaram, mas para defender Rivera. Foram vários os toureiros que decidiram publicar imagens com os seus próprios filhos ao colo enquanto toureavam, num sinal claro de apoio ao filho de Paquirri e em nome da "tradição".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.