Rapper Cardi B tenta agredir Nicki Minaj

Durante uma festa da Semana de Moda de Nova Iorque, as duas rappers estiveram muito próximas do confronto físico. Cardi B ainda tentou acertar na rival com um sapato, mas falhou o alvo

É caso para dizer que a festa de sexta-feira à noite da Harper's Bazaar, em Nova Iorque, foi bastante animada. As duas rappers Cardi B e Nicki Minaj estiveram muito próximas de um confronto físico, que só não aconteceu devido aos seguranças que estavam no local.

Mesmo estando a ser segurada por vários homens da segurança, Cardi B ainda puxou do sapato de salto alto e atirou-o contra a rival, mas falhou o alvo. No final, foi ela que ficou lesionada, como conta o site de celebridades TMZ, que mostra um vídeo do momento.

Tudo aconteceu na festa da revista Harper's Bazaar, inserida na Semana de Moda de Nova Iorque, quando Cardi B abordou de forma "agressiva" a mesa onde estava Minaj, de acordo com testemunhas, citadas pelo site norte-americano.

A rapper queria confrontar a colega de profissão sobre alegadas declarações desta última que questionam a sua aptidão enquanto mãe - Cardi B foi mãe pela primeira vez. Mas foi impedida por amigos e elementos da segurança.

Ainda assim, no meio da confusão, a intérprete de "I Like It" conseguiu atirar contra Nicki Minaj um sapato de salto alto, mas não acertou na rapper que lançou recentemente o álbum "Queen".

Cardi B acabou por ser levada para fora da festa lesionada na cara. Nas fotos que circularam nas redes sociais, é possível ver um alto por cima do olho da cantora, que terá sido consequência da cotovelada de um dos muitos seguranças que tentaram evitar o confronto físico.

Após o incidente, Nicki Minaj optou por mostrar nas redes sociais apenas algumas imagens da festa, ignorando a tentativa de agressão. Já Cardi B, antiga stripper, aproveitou para partilhar um texto sobre o que aconteceu. "Eu trabalhei muito para conseguir chegar longe e não vou deixar alguém f**** o meu sucesso", escreveu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.