RAP sobre Salgado: "Se tivesse uma maçã podre, aquela testa não me escapava"

"Não resolveram o assunto e acho que nem vão resolver. Estou à espera de, sei lá, em 2022, me dizerem 'toma lá 20 euros'", disse o humorista sobre as poupanças investidas na compra de papel comercial da Rioforte

Ricardo Araújo Pereira sentou-se no sofá do 5 para a Meia-Noite como primeiro convidado do regresso do late show, agora em formato semanal, à antena da RTP1. Filomena Cautela, a única apresentadora de serviço, conversou com o humorista sobre vários aspetos da sua vida e, nomeadamente, sobre o facto de ter sido lesionado do Banco Espírito Santo (BES). "Fiquei sem dinheiro. Não é bem lesado do BES, na medida em que eu sou um investidor conservador", começou por explicar o Ricardo Araújo Pereira.

"De repente comecei a ver notícias a falar da Rioforte e eu sabia lá o que era isso. E depois liguei para lá [para o BES] a dizer que isto tinha a ver com o BES, que se calhar posso tirar [o dinheiro do banco]. 'Já não está cá' [disseram-lhe]", recordou sobre o facto de o seu dinheiro ter sido investido na aquisição de papel comercial da empresa do Grupo Espírito Santos (GES) declarada insolvente pelo tribunal. "Não resolveram o assunto e acho que nem vão resolver. Estou à espera de, sei lá, em 2022, me dizerem 'toma lá 20 euros'".

E se visse Ricardo Salgado, garante que teria "duas ou três coisas para lhe dizer". "Não gosto de gritaria. Mas se tivesse uma maçã podre à mão, aquela testa não me escapava", atirou.

Atento à atualidade, Ricardo Araújo Pereira explicou que sempre assumiu publicamente os seus gostos e as suas opiniões por sempre se ter recusado a que a sua "vida se transformasse num concurso de popularidade". "Não quero fingir. As pessoas gostam se quiserem, se não quiserem não gostam. Eu nunca escondi que sou do Benfica, que sou de Esquerda, que sou ateu, que gosto de bacalhau com batatas", exemplificou.

Ainda assim, garante que as críticas que lhe são feitas surgem "mais através das redes sociais". E exemplificou: "Sempre que vou ao Porto, a primeira coisa que me dizem é que eu só tenho um defeito e eu já sei do que é que estamos a falar: de eu ser do Benfica. Por acaso até estamos a falar da minha única qualidade", provocou RAP, arrancando gargalhadas da plateia presente em estúdio. "Mais do que 'nem te posso ver', este é um pretexto para falar com as pessoas", concluiu.

O programa de estreia foi visto por 156 mil pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.