"Fuck Trump", insultou De Niro. Foi ovacionado de pé

O ator aproveitou a entrega de prémios Tony Awards, que foi transmitida em direto na TV, para criticar o chefe de Estado

O ator Robert De Niro aproveitou a entrega dos Tony Awards, os prémios que premeiam o melhor do teatro que se apresenta na Broadway, no domingo, para criticar Donald Trump.

A gala foi rica em comentários anti-governo, sempre feitos de forma diplomática. Até que o ator subiu a palco para apresentar a atuação de Bruce Springsteen.

Robert De Niro não foi comedido nas palavras, apesar de a gala estar a ser transmitida na televisão, e foi direto ao assunto.

"Vou dizer uma coisa: que se f... Trump. Já não é mais, apenas, vamos deitar a baixo o Trump. É que se f... Trump."

As palavras do ator veterano de Hollywood, proferidas de punhos no ar, incendiaram a plateia do Radio City Music Hall, em Nova Iorque, que se levantou para o aplaudir.

Já a CBS, canal que transmitiu a emissão, que só o ano passado foi vista por cerca de seis milhões de americanos, censurou o insulto de De Niro ao chefe de Estado.

Roberto De Niro, um liberal conhecido, tem sido muito crítico em relação à atuação de Trump, um republicano. Um mês antes de Trump ser eleito, o ator chamou o candidato de "estúpido" e disse: "Eu gostaria de lhe dar um soco na cara."

Nos Tony Awards, o oscarizado ator exortou ainda o público a votar em novembro e elogiou o compromisso político de Springsteen.

"Bruce agita a casa como ninguém mas, mais importante do que isso, nestes tempos perigosos em que vivemos, tem de agitar a votação, com as suas palavras. Temos de lutar pela verdade, transparência e integridade no governo."

Nem a CBS nem a Casa Branca se pronunciaram ainda sobre a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.