Putin deu cidadania russa a Steven Seagal

Ator norte-americano é amigo do presidente russo

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto que concede a cidadania russa ao ator Steven Seagal, perito em artes marciais e conhecido pelos filmes de ação da década de 90 do século passado.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo porta-voz do Kremlin, que admitiu que Seagal mantém, publicamente, uma relação de afeto com a Rússia e que o estatuto do norte-americano, alcançado como estrela de Hollywood, foram suficientes para lhe garantirem um passaporte russo.

Por outro lado, o ator é amigo do atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, tendo chegado a elogiá-lo em várias ocasiões: "É um dos maiores líderes mundiais", disse. Já em 2014, recorda a BBC, Seagal tinha descrito a intervenção russa na Crimeia como "bastante razoável", o que terá contribuído para o acelerar da atribuição da cidadania.

Em 2013, vários meios de comunicação chegaram a avançar que Putin teria proposto Seagal para cônsul honorário da Rússia nos estados norte-americanos da Califórnia e Arizona, mas que o governo dos EUA recusara.

Nos últimos anos, também o ator Gérard Depardieu se tornou cidadão russo: em menos de duas semanas, Putin fez o convite e ator, nascido em França e que estava em conflito com a inspeção tributária do país natal, aceitou.

Steven Seagal tem uma avó russa, natural de Vladivostok, no leste do país, e nos últimos tempos tem feito várias viagens à região, nomeadamente a outros países de leste que mantêm boas relações com o presidente russo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.