Príncipe Carlos vai levar Meghan Markle ao altar

Foi a noiva que pediu ao futuro sogro para a acompanhar

É o Príncipe Carlos, pai de Harry, que vai levar Meghan Markle ao altar, no casamento do ano da família real britânica A alteração foi anunciada esta sexta-feira pelo Palácio de Kensington.

Segundo o comunicado, foi a noiva que pediu ao futuro sogro para a acompanhar. "O Príncipe de Gales está feliz por poder dar as boas-vindas a Ms. Markle à família real desta forma."

O príncipe Harry, sexto na linha de sucessão ao trono britânico, e a atriz norte-americana casam-se esta sábado no Castelo de Windsor, a mais antiga residência da família real britânica (a construção remonta ao século XI). A cerimónia está marcada para o meio-dia e dura uma hora.

Meghan, que na véspera do casamento ficará no Cliveden House Hotel (o noivo estará no Dorchester Collection"s Coworth Park), chegará à capela de carro, acompanhada pela mãe. Chegou a especular-se que Doria Ragland, de 61 anos, poderia levar também a filha ao altar, já que o ex-marido, Thomas Markle, de 73 anos, foi operado ao coração e vai falhar o casamento.

Nos últimos dias, foi revelado que Thomas encenou com paparazzi uma série de fotografias a preparar-se para o casamento. E vendeu-as às revistas. Na segunda-feira, dizendo não querer ser um embaraço para a filha, disse que não ia ao casamento, mas teria mudado de ideias, até ser operado na quarta-feira, depois de ter sofrido um ataque cardíaco na semana passada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.