"Dona Dolores" é o nome do primeiro restaurante de CR7

Depois da aposta na hotelaria, Cristiano Ronaldo investe agora na área da restauração. O primeiro restaurante do jogador português já está a ser construído na cidade brasileira de Gramado

É já em junho que Cristiano Ronaldo vai abrir o seu primeiro restaurante. O espaço irá chamar-se "Dona Dolores" e vai abrir portas na cidade brasileira de Gramado, em Rio Grande do Sul.

O negócio é o resultado de uma parceria entre a família Aveiro e as empresas Gramado Resort e Lugano. O primeiro restaurante do jogador do Real Madrid já está, aliás, a ser construído e a sua inauguração está prevista para junho, durante o Mundial de Futebol na Rússia.

O restaurante, de comida portuguesa, "já está em construção, e seu cardápio será composto pelas receitas originais da dona Dolores", informa, em comunicado, a Gramado Parks.

Quem vai estar à frente do negócio é Kátia Aveiro, irmã de Cristiano Ronaldo. "Também é uma cozinheira de mão cheia, tendo escrito, junto com a mãe Dolores, um livro de receitas da família", destaca a empresa referindo-se ao "As receitas da minha querida mãe", lançado no ano passado. O livro dá a conhecer os pratos preparados pela matriarca do clã Aveiro, sem esquecer o bacalhau à Brás, o preferido do capitão da Seleção Nacional.

Do livro para o restaurante, as receitas da família vão agora ganhar forma e irão ser saboreadas pelo público brasileiro já este verão.

Na semana passada responsáveis das duas empresas reuniram-se com Cristiano Ronaldo e elementos da família Aveiro na casa do jogador em Madrid para acertar os últimos detalhes desta parceria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.