Primeira-ministra da Nova Zelândia foi mãe pela primeira vez

É menina e nasceu na quinta-feira com 3,3 quilos

Jacinda Ardern ingressou num hospital público de Auckland na quinta-feira de manhã.​​​​ Passavam quatro dias da data prevista para o parto. A bebé, uma menina, nasceu às 4.45 e pesa 3,3 quilos.

A notícia foi dada pela própria, via instagram, numa fotografia com a bebé ao colo e ao lado do companheiro, o apresentador de televisão Clarke Gayford.

"Bem-vinda à nossa aldeia, pequenina", escreveu Jacinda Ardern. "Estamos realmente bem graças à maravilhosa equipa do Hospital Auckland City", acrescentou.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, de 37 anos, será substituída no cargo pelo vice-primeiro-ministro Winston Peters durante as seis semanas da licença de maternidade.

Eleita em outubro, Jacinda Adern anunciou em janeiro que esperava um bebé.

"Eu não sou a primeira mulher a fazer múltiplas tarefas. Não sou a primeira mulher a trabalhar e ter um bebé, muitas mulheres o fizeram antes", afirmou numa entrevista à Radio New Zealand.

Numa entrevista recente à BBC, Jacinda Ardern explicou que a notícia da chegada da primeira filha tinha sido recebida com alegria por outros líderes políticos da Commonwealth, que a convidaram a levar a bebé em futuros encontros. "Vai ser precisa uma comunidade internacional para cuidar de uma criança", afirmou.

Jacinda Ardern disse ainda compreender muito bem o interesse que suscitava o facto de ter um bebé sendo primeira-ministra. "Afinal, é a apenas a segunda vez que uma mulher é mãe no exercício do cargo. O que espero é que um dia deixe de ser interessante."

Antes da política neozelandesa, apenas a paquistanesa Benazir Bhutto tinha dado à luz enquanto ocupava o cargo de primeira-ministra. Foi em 1990.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.