Presidente da Academia de Hollywood investigado por assédio sexual

Em causa estão três queixas contra John Bailey

O presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares, John Bailey, está a ser investigado por assédio sexual, avançou esta sexta-feira a revista norte-americana Variety.

Segundo aquela revista, numa notícia publicada no seu 'site', a Academia recebeu na quarta-feira três queixas de assédio sexual e abriu imediatamente um inquérito.

Em comunicado, citado pela Variety, a Academia afirma que "trata qualquer queixa confidencialmente para proteger todas as partes".

"O Comité de Membros analisa todas as queixas feitas contra membros da Academia de acordo com o Código de Conduta e, depois de concluir as avaliações, reporta ao Conselho de Governadores. Não iremos fazer mais comentários até a investigação estar concluída", refere a Academia.

John Bailey, que é diretor de fotografia, foi eleito presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos em agosto.

Entre os créditos cinematográficos de John Bailey, de 75 anos, estão filmes como "American Gigolo", "Os Amigos de Alex", "O Feitiço do Tempo" ou "Melhor é Impossível".

Em outubro, a Academia expulsou o produtor Harvey Weinstein, acusado de assédio, agressão sexual e violação por mais de 30 mulheres.

Em dezembro, aquela organização estabeleceu um código de conduta, que determina que os seus membros podem ser castigados ou expulsos por abuso, assédio ou discriminação.

Além disso, já este ano, a Academia decidiu substituir o ator Casey Affleck, envolvido em dois processos judiciais por assédio sexual em 2010, como apresentador do Óscar de Melhor Atriz. Foi a primeira vez que o Óscar de Melhor Atriz não foi entregue pelo vencedor da categoria de Melhor Ator do ano anterior.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.