Presidente da Academia de Hollywood investigado por assédio sexual

Em causa estão três queixas contra John Bailey

O presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares, John Bailey, está a ser investigado por assédio sexual, avançou esta sexta-feira a revista norte-americana Variety.

Segundo aquela revista, numa notícia publicada no seu 'site', a Academia recebeu na quarta-feira três queixas de assédio sexual e abriu imediatamente um inquérito.

Em comunicado, citado pela Variety, a Academia afirma que "trata qualquer queixa confidencialmente para proteger todas as partes".

"O Comité de Membros analisa todas as queixas feitas contra membros da Academia de acordo com o Código de Conduta e, depois de concluir as avaliações, reporta ao Conselho de Governadores. Não iremos fazer mais comentários até a investigação estar concluída", refere a Academia.

John Bailey, que é diretor de fotografia, foi eleito presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos em agosto.

Entre os créditos cinematográficos de John Bailey, de 75 anos, estão filmes como "American Gigolo", "Os Amigos de Alex", "O Feitiço do Tempo" ou "Melhor é Impossível".

Em outubro, a Academia expulsou o produtor Harvey Weinstein, acusado de assédio, agressão sexual e violação por mais de 30 mulheres.

Em dezembro, aquela organização estabeleceu um código de conduta, que determina que os seus membros podem ser castigados ou expulsos por abuso, assédio ou discriminação.

Além disso, já este ano, a Academia decidiu substituir o ator Casey Affleck, envolvido em dois processos judiciais por assédio sexual em 2010, como apresentador do Óscar de Melhor Atriz. Foi a primeira vez que o Óscar de Melhor Atriz não foi entregue pelo vencedor da categoria de Melhor Ator do ano anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.