Português alcança segundo lugar em concurso mundial de sushi

Chefe Miguel Bértolo representou o país na competição que se realizou em Tóquio

A primeira participação portuguesa na World Sushi Cup, competição que avalia chefes de cozinha na arte de confecionar sushi, terminou de forma muito positiva: o chefe Miguel Bértolo conseguiu o segundo lugar do concurso.

A competição, uma das mais importantes e reconhecidas no mundo da confeção da iguaria nipónica, realizou-se entre os dias 22 e 24 de agosto em Tóquio, no Japão.

Os concorrentes tiveram um dia de formação técnica e outro de formação prática. Nestes dois dias, foram definidas as regras que os 30 participantes tinham de cumprir para participarem no campeonato. Desses 30, apenas 20 disputaram a final.

Após aprovados para participação na World Sushi Cup, os chefes passaram por dois desafios. O primeiro, a abertura de peixes e bivalves segundo as normas Eduame Zushi (sushi tradicional). De seguida, prepararam várias peças de sushi e respetivo empratamento.

Concluídas as duas provas e após a avaliação de vários júris, que avaliaram fatores como a jaleca, a higiene e a apresentação de cada chefe, bem como o estado do equipamento e a capacidade de organização, foram anunciados os resultados. E aí, Miguel Bértolo soube que tinha ficado em segundo lugar.

"O segundo lugar nesta competição, conseguido pelo chefe Miguel Bértolo, é o culminar de todo o empenho e dedicação do mesmo durante os treinos intensos. Foi um percurso difícil. No entanto, é com grande satisfação que vemos Portugal no pódio de um torneio onde estão à prova os melhores sushimans a nível mundial", afirmou Isabel Caeiro, responsável de Comunicação da Makro Portugal, uma das parceiras na ida do chefe português a Tóquio, em juntamente com a Associação Cozinheiros Profissionais de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.