"Porque está uma 'meia-japonesa' a representar o Japão?"

Ariana Miyamoto é mulata e Miss Japão. A polémica estalou nas redes sociais. Nunca naquela competição tinha sido declarada vencedora uma mulher mulata. Veja o vídeo.

Nasceu e cresceu no Japão. A mãe é japonesa, o pai afro-americano. Na escola viveu com o estigma de ser mulata, com os colegas a terem receio de lhe tocarem por pensarem que a cor da pele seria contagiosa ou a pedirem-lhe para não utilizar a mesma piscina que eles. Ariana Miyamoto, de 20 anos, nem pensava em alcançar a ribalta através de um concurso de beleza, mas o suicídio de um amigo - que também seria vítima de discriminação racial - fê-la mudar de opinião: "Decidi participar [no concurso Miss Universo Japão] em parte para garantir que a situação não se voltaria a repetir."

Ariana Miyamoto tinha recusado um convite para participar no concurso de beleza, precisamente por ser vista como diferente no Japão e porque nunca naquela competição tinha sido declarada vencedora uma mulher mulata. Miyamoto admitiu, em declaração ao Mashable, que estava preparada para algumas reações menos positivas à sua vitória.

"Porque está uma 'meia-japonesa' a representar o Japão?" ou "ela parece uma estrangeira", foram alguns dos comentários nas redes sociais, segundo a Bloomberg. "O Japão está sempre a dizer que é a globalização, mas sinto que ainda não lidou com o básico, como a discriminação social. As coisas podem ter mudado em sítios como o Tóquio, mas se formos para fora das cidades, as coisas não mudaram nada", salientou Miyamoto a este site.

Antes de participar no concurso de Miss Universo Japão - apesar do nome é o equivalente à Miss Portugal - a jovem trabalhava como modelo e em part-time num bar. Agora admite que quer "mudar a atitude das pessoas". "Se não houvesse este tipo de críticas, não teria valido a pena competir. Não quero ignorar. Quero mudar a atitude das pessoas", salientou.

Ariana Miyamoto confessou que está mais à vontade desde que foi viver para Tóquio e contou que os empregados das lojas insistem em falar inglês com ela, mesmo quando ela pergunta algo em japonês. "Como eles estão a esforçar-se, eu tento responder em inglês. Penso que é engraçado", disse, frisando que não fica zangada. Quando estiver no concurso da Miss Universo, Miyamoto afirmou que espera vestir um kimono.

Uma porta-voz da competição Miss Universo Japão referiu à Bloomberg que as críticas à vitória de Miyamoto "eram esperadas" e que a perspetiva de beleza é subjetiva. Considerou que a vencedora deverá ter "uma beleza digna de representar o Japão", mas se deve representar os "padrões tradicionais" da beleza japonesa, é algo para os júris decidirem.

O Japão venceu duas vezes o concurso da Miss Universo: em 1959 com Akiko Kojima e em 2007 com Riyo Mori.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?