Pierce Brosnan detido em aeroporto nos EUA por transportar faca

O "ex-agente 007" foi forçado a colocar na bagagem de porão uma faca que queria levar consigo.

O ator irlandês Pierce Brosnan, que interpretou por várias vezes o papel de 007, foi hoje detido num aeroporto em Vermont, nos Estados Unidos, por tentar transportar uma faca na bagagem de mão, noticia a agência France-Presse.

Pierce Brosnan, atualmente com 62 anos, prepara-se para embarcar no International Airport de Burlington, em Vermont, e foi forçado a colocar na bagagem de porão o objeto cortante com que transportava.

Um agente do aeroporto definiu o incidente como "menor", acrescentando que ítems proibidos são intercetados várias vezes por dia nos vários pontos de segurança existentes antes do embarque dos passageiros.

"Não haverá acusação alguma nem nada do género", indicou o oficial à France-Presse, falando sob anonimato.

Meryl Streep, Susan Sarandon e Sarah Jessica Parker já contracenaram com o ator no passado, sendo que Pierce Brosnan é também conhecido por ter feito de agente 007 em quatro filmes da saga: "Goldeneye", "Tomorrow Never Dies", "The World Is Not Enough" e "Die Another Day".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.