Oprah Winfrey: "Não teria sido uma boa mãe"

Aos 63 anos, Oprah Winfrey voltou a falar da maternidade

Oprah Winfrey, que durante anos foi um rosto familiar da televisão norte-americana, com um programa em nome próprio durante 25 anos, voltou a falar de uma hipotética maternidade, revelando, aos 63 anos, que "não teria sido uma boa mãe de bebés."

"Não tenho a paciência necessária", começou por explicar à edição britânica de Good Housekeeping. "Tenho paciência para cachorros, mas apenas porque essa é uma fase que passa rápido", reiterou a ativista, que abriu uma escola para raparigas em Joanesburgo, na África do Sul, onde assegura a educação de 172 sul-africanas.

"Quando as pessoas me começavam a pressionar para casar e ter filhos, eu sabia que nunca viria a arrepender-me de não fazer essas coisas, porque me sinto a mãe de todas as crianças do mundo", contou Oprah. "O amor não tem limites. Não interessa se a criança veio do nosso útero ou se foi encontrada aos 2, 10 ou 20 anos. Se o amor é real, a preocupação é genuína", acrescentou.

Esta não é a primeira vez que Oprah Winfrey, que perdeu um bebé quando tinha apenas 14 anos, aborda o tema da maternidade. Em 2013, a antiga apresentadora já tinha um discurso semelhante, dizendo que se tivesse tido filhos provavelmente estes teriam sofrido por a terem como mãe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.