O português sonhador que cria Legos e que quer (en)cantar a Dinamarca

Marcos Bessa vai hoje a votos no 'talent show' dinamarquês. O engenheiro quer construir carreira musical

O que faz um português, engenheiro da Lego, a cantar num talent show? "Sou um criativo por natureza que usa e abusa de todos os meios de expressão que tenho ao meu dispor." Quem o diz é Marcos Bessa. É designer da marca de brinquedos dinamarquesa, vive naquele país desde 2010 e, apesar de ter um trabalho que muitos poderão considerar de sonho, não desiste de outro desejo: ser cantor.

Os quartos-de-final da quinta edição do concurso de caça-talentos Danmark Har Talent (versão do país nórdico do concurso Got Talent ) arrancam esta noite. Marcos vai a votos e espera que a sua prestação conquiste o coração dos telespectadores.

Natural de Vilela, concelho de Paredes, Marcos formou-se em engenharia na Universidade do Porto. No entanto, a música sempre esteve presente na sua vida. "Sempre cantei, desde os seis anos, mas mais recentemente comecei a aventurar-me na composição de originais", conta ao DN. Ainda criança, rebobinava vezes sem fim as cassetes VHS para cantar ao som das bandas sonoras dos filmes da Disney. Seguiram-se os concursos locais, o coro da paróquia e, já na faculdade, juntou-se ao coro de jazz. "A música sempre foi um refúgio e um conforto, para todas as horas, sobretudo as mais difíceis", confessa.

A participação no Got Talent começou a ganhar forma a partir do momento em que decidiu que queria dar a conhecer o seu talento ao mundo. "Agora, mais do que nunca, senti que fazia sentido tentar dar-me a conhecer enquanto músico a um público mais abrangente, de forma a tentar chegar mais longe e levar a minha música a mais gente", explica.

Nas audições do talent show, Marcos Bessa conquistou o painel de jurados (composto pelo realizador Jarl Friis-Mikkelsen, a atriz Cecilie Lassen, o ator Peter Frödin e a cantora Nabiha) com um mashup das músicas Someone Like You, de Adele, e Use Somebody, de Kings of Leon.

Criador na Lego, o engenheiro afirma que a sua profissão era, em si, "um sonho de criança", "um dos vários" que já realizou ao longo dos seus 26 anos. "Sou um sonhador por natureza, mas não sou de ficar pelo sonho. Vou atrás e tento tudo o que posso para os tornar realidade", afiança. Foi selecionado para integrar a equipa de criativos da marca de brinquedos dinamarquesa quando tinha apenas 21 anos. "Antes de começar sequer o mestrado, concorri para uma vaga de designer na Lego e depois consegui um lugar entre os contratados", recorda.

Marcos já havia tentado a sua sorte nos talent shows portugueses... sem grande sucesso. Concorreu ao Ídolos mas nunca chegou a ser chamado para os castings. Aquando a primeira edição de The Voice Portugal, em 2011, foi selecionado para prestar provas mas, como já se encontrava na Dinamarca, acabou por não participar.

Perguntamos a Marcos até onde pretende chegar no Danmark Har Talent. O engenheiro parafraseia uma das suas personagens favoritas, Buzz Lightyear, o herói animado da saga Toy Story. "Para o infinito e mais além!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.