O casamento milionário de Madina Shokirova, a "princesa tajique"

A filha do empresário usbeque Ilkhom Shokirov deu o nó no passado fim de semana. Vestido custou 553 mil euros

Magnatas do petróleo, oligarcas de ex-repúblicas soviéticas, multimilionários russos. O que têm em comum? Gostam de oferecer festas faustosas (e pouco discretas) e, quando se casam - ou casam os filhos - fazem-no com extravagância.

Madina Shokirova, 27 anos, filha do empresário usbeque Ilkhom Shokirov (com negócios ligados à exploração petrolífera e ao setor hoteleiro) casou-se neste fim de semana naquele que é considerado, segundo o tabloide britânico Daily Mail, "o mais extravagante casamento de sempre". Madina é frequentemente apelidada na imprensa russa de princesa tajique (referência aos povos que falam a língua persa e que habitam atualmente países como Afeganistão, Tajiquistão e Usbequistão), designação que condiz na perfeição com a sua cerimónia de casamento. Mas vamos às contas deste conto de fadas: o vestido da noiva, criado pela casa de alta-costura britânica Ralph & Russo, custou 553 mil euros.

O modelo, com cauda longa, tinha o corpo e a saia profusamente bordados com fio dourado, cristais Swarovski, pérolas e pétalas de organza. Madina complementou o visual com uma tiara de diamantes, avaliada em 567 mil euros. Do noivo, pouco ou nada se sabe... apenas que se chama Sardor.

O casamento aconteceu em Moscovo, no hotel Radisson Royal (onde a suite presidencial custa a módica quantia de 5000 euros por noite). Escreve também o Daily Mail, citando o site de lifestyle russo Life!, que, só na animação do copo-d"água, foram gastos cerca de 374 mil euros. Philipp Kirkorov, cantor e compositor russo de origem búlgara, fez uma atuação ao melhor estilo dos cabarés parisienses, com várias bailarinas.

Um dos aspetos mais curiosos da cerimónia foi a autoria do bolo da noiva, Renat Agzamov, pasteleiro russo e antigo campeão nacional de boxe.

A obra-prima de pastelaria - com seis andares e três metros de altura, foi transportada até à sala onde se celebrou o copo-d"água por três bailarinos vestidos de branco, que fizeram rodopiar o bolo, perante o olhar dos noivos e ao som de música inspirada nas bandas sonoras dos filmes da Disney.

Antes de dar o nó, a filha do oligarca natural do Usbequistão celebrou a sua despedida de solteira em Marbella, no Sul de Espanha. Madina viajou com as amigas até à Andaluzia de jato privado e, nas redes sociais, é possível ver várias imagens da noiva com as amigas, a bordo de um avião privado, vestidas a condizer e também a apanhar sol num iate.

Esta primeira festa aconteceu há três meses mas, segundo o Daily Mail, Madina teve ainda uma segunda despedida de solteira, num restaurante de luxo da capital russa.

Ilkhom Shokirov é um homem bastante discreto e existem muito poucas informações sobre a origem da sua fortuna. O empresário, natural do Usbequistão, é dono de um hotel de cinco estrelas em Tashkent, capital daquele país. Detém também 65% do Demir, o maior grupo de centros comerciais usbeques, e é também dono de vários hotéis em Moscovo. Já menos discreta, Madina costuma partilhar nas redes sociais o seu estilo de vida de fazer inveja a muitos multimilionários: férias no Dubai, lugar na primeira fila da Semana da Moda de Paris, ao lado de celebridades como Anna Wintour ou Beyoncé, roupas e malas de griffes como Chanel, Hermès ou Dior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.