O casamento milionário de Madina Shokirova, a "princesa tajique"

A filha do empresário usbeque Ilkhom Shokirov deu o nó no passado fim de semana. Vestido custou 553 mil euros

Magnatas do petróleo, oligarcas de ex-repúblicas soviéticas, multimilionários russos. O que têm em comum? Gostam de oferecer festas faustosas (e pouco discretas) e, quando se casam - ou casam os filhos - fazem-no com extravagância.

Madina Shokirova, 27 anos, filha do empresário usbeque Ilkhom Shokirov (com negócios ligados à exploração petrolífera e ao setor hoteleiro) casou-se neste fim de semana naquele que é considerado, segundo o tabloide britânico Daily Mail, "o mais extravagante casamento de sempre". Madina é frequentemente apelidada na imprensa russa de princesa tajique (referência aos povos que falam a língua persa e que habitam atualmente países como Afeganistão, Tajiquistão e Usbequistão), designação que condiz na perfeição com a sua cerimónia de casamento. Mas vamos às contas deste conto de fadas: o vestido da noiva, criado pela casa de alta-costura britânica Ralph & Russo, custou 553 mil euros.

O modelo, com cauda longa, tinha o corpo e a saia profusamente bordados com fio dourado, cristais Swarovski, pérolas e pétalas de organza. Madina complementou o visual com uma tiara de diamantes, avaliada em 567 mil euros. Do noivo, pouco ou nada se sabe... apenas que se chama Sardor.

O casamento aconteceu em Moscovo, no hotel Radisson Royal (onde a suite presidencial custa a módica quantia de 5000 euros por noite). Escreve também o Daily Mail, citando o site de lifestyle russo Life!, que, só na animação do copo-d"água, foram gastos cerca de 374 mil euros. Philipp Kirkorov, cantor e compositor russo de origem búlgara, fez uma atuação ao melhor estilo dos cabarés parisienses, com várias bailarinas.

Um dos aspetos mais curiosos da cerimónia foi a autoria do bolo da noiva, Renat Agzamov, pasteleiro russo e antigo campeão nacional de boxe.

A obra-prima de pastelaria - com seis andares e três metros de altura, foi transportada até à sala onde se celebrou o copo-d"água por três bailarinos vestidos de branco, que fizeram rodopiar o bolo, perante o olhar dos noivos e ao som de música inspirada nas bandas sonoras dos filmes da Disney.

Antes de dar o nó, a filha do oligarca natural do Usbequistão celebrou a sua despedida de solteira em Marbella, no Sul de Espanha. Madina viajou com as amigas até à Andaluzia de jato privado e, nas redes sociais, é possível ver várias imagens da noiva com as amigas, a bordo de um avião privado, vestidas a condizer e também a apanhar sol num iate.

Esta primeira festa aconteceu há três meses mas, segundo o Daily Mail, Madina teve ainda uma segunda despedida de solteira, num restaurante de luxo da capital russa.

Ilkhom Shokirov é um homem bastante discreto e existem muito poucas informações sobre a origem da sua fortuna. O empresário, natural do Usbequistão, é dono de um hotel de cinco estrelas em Tashkent, capital daquele país. Detém também 65% do Demir, o maior grupo de centros comerciais usbeques, e é também dono de vários hotéis em Moscovo. Já menos discreta, Madina costuma partilhar nas redes sociais o seu estilo de vida de fazer inveja a muitos multimilionários: férias no Dubai, lugar na primeira fila da Semana da Moda de Paris, ao lado de celebridades como Anna Wintour ou Beyoncé, roupas e malas de griffes como Chanel, Hermès ou Dior.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.