Mulheres XXL desfilam em Times Square

Desfile "diferente" e bonito passou por Nova Iorque

Protesto. Marcar posição. Mostrar que nem todos os padrões de beleza estão certos. Abrir horizontes, Foram vários os motivos que levaram várias mulher a caminhar, em lingerie, pela Times Square, em Nova Iorque, EUA.

No entanto, este não é um desfile "típico", como um da Victoria's Secret, por exemplo. Aqui, os corpos não são escolhidos a dedo. São corpos, apenas. De todas as formas e feitios, demonstrando que a diversidade dos corpos femininos existe, é real, e que todos podem ser considerados bonitos à sua maneira.

"The Real Catwalk" (a verdadeira passerelle) foi o movimento que foi sendo acompanhado nas redes sociais, principalmente no Instagram da modelo Khrystyana.

"Todas as mulheres podem sentir-se como um anjo da vida real", escreveu numa das legendas de uma das fotografias, em que aparece com uma asas desenhadas. Esclarece, na mesma fotografia, que as asas não são uma mensagem anti Victoria's Secret.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.