Morreu o Mini Me de Austin Powers

Verne Troyer, que figurou em filmes como MIB e Harry Potter, morre aos 49 anos

O ator Verne Troyer, que ficou conhecido sobretudo por ter interpretado o papel do clone em miniatura do Dr. Evil, Mini Me, na saga de filmes cómicos Austin Powers, morreu este sábado, no hospital de Fernando Valley, na Califórnia.

O óbito foi confirmado pela família na sua página do Instagram. Troyer tinha apenas 49 anos e, embora as causas da sua morte não tenham sido avançadas, o ator estava internado desde o início deste mês, devido a uma intoxicação alcoólica. Nessa altura, foi divulgado que estaria extremamente perturbado e com tendências suicidas.

"É com grande tristeza e com corações incrivelmente pesados que escrevemos que Verne morreu hoje", informou a família ao falar sobre os últimos dias do ator. Verne debatia-se com a dependência de drogas e álcool e com a depressão, chegando a ficar internado algumas vezes em clínicas de reabilitação. "Nunca se sabe as batalhas que ocorrem dentro de cada pessoa. Sejam gentis uns com os outros", apelou a família.

Troyer, que nasceu com nanismo acondroplásico, media 81cm, o que não o impediu de iniciar carreira em Hollywood em 1994, tendo inscrito o seu nome em mais 50 filmes. Além da sua mais famosa representação no papel de Mini Me, Troyer fez ainda parte do elenco de filmes como MIB - Homens de Preto ou Harry Potter e a Pedra Filosofal, onde foi Griphook, o goblin-bancário que tão ciosamente guardava os cofres do Banco de Gringotts.

Nas redes sociais, a família pede agora privacidade neste momento triste e sugere aos fãs que, em vez de comprarem flores, façam donativos em sua homenagem às instituições de caridade que o ator apadrinhava.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.