Morreu a Dona Pombinha de "Roque Santeiro"

A atriz Eloísa Mafalda morreu quarta-feira, em casa, em Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro

Ficou conhecida pelos papéis que interpretou em novelas da Globo da década de 80 como "Roque Santeiro", "Mulheres de Areia" ou "Pedra Sobre Pedra". Eloísa Mafalda despediu-se de fãs, familiares e amigos esta quarta-feira, aos 93 anos.

A atriz morreu em casa, em Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, mas o corpo vai ser velado em Jundiaí, São Paulo, cidade natal da atriz.

As causas da morte ainda não foram reveladas, mas Eloísa sofria de Alzheimer e tinha problemas respiratórios.

A Dona Pombinha de "Roque Santeiro" nasceu em setembro de 1924 com o nome de batismo Mafalda Theoto. Ela deixa dois filhos, dois netos e dois bisnetos.

Estava afastada do pequeno ecrã desde 2002, altura em que participou na novela "O Beijo do Vampiro".

Eloísa Mafalda interpretou papéis marcantes na TV Globo, como a dona Nenê da primeira versão da série "A Grande Família", em 1975. Em 1982, interpretou a personagem dona Mariana, também da primeira versão da novela "Paraíso".

Em 1985, viveu dona Pombinha, uma beata, na novela "Roque Santeiro" e, em 1992, foi Gioconda Pontes em "Pedra sobre Pedra, de autoria de Aguinaldo Silva.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.