Morgan Freeman exige pedido de desculpa à CNN

O ator acusa o canal de notícias norte-americano de difamação e pede que este se retrate

Numa carta de dez páginas enviada à CNN, o advogado do ator Morgan Freeman exige uma retratação do canal de notícias norte-americano por publicar relatos de mulheres que acusam o ator de assédio sexual. Robert M. Schwartz afirma que o meio de comunicação foi usado para atacar falsamente o cliente.

Segundo a ABC News, o advogado alega que a investigação é "produto de má intenção, falsidades, falta de controlo, falta de controlo editorial e má conduta jornalística". Adianta que a mesma "devastou" o cliente e que "não é correto associar incidentes horríveis de agressão sexual a elogios ou humor fora de lugar".

"Nós apresentámos à CNN evidências objetivas, incluindo negações gravadas pelas alegadas 'vítimas', de que o alegado incidente que deu origem à história nunca aconteceu", disse o advogado em comunicado à ABC News. "Provámos à CNN, além de qualquer dúvida, que toda a história foi construída sobre falsidade. A credibilidade de todo o ataque da CNN ao meu cliente foi agora posto em causa. Ao escolher ignorar as evidências que apresentamos, a CNN confirmou as nossas preocupações sobre os seus repórteres, a sua falta de supervisão e a conduta grosseira em atacar injustamente" o ator.

Recorde-se que a investigação que a televisão levou a cabo sobre o assunto, surgiu depois de uma entrevista que Morgan Freeman deu a Chloe Melas, jornalista do canal, a propósito do filme que protagonizou em 2017, "Ladrões com muito estilo". Um dos depoimentos na reportagem pertence mesmo à repórter, que revelou ter se sentido incomodada com os olhares de Freeman e com alguns comentários inapropriados que lhe teria dirigido.

Depois da emissão da reportagem, o ator, que amanhã comemora 80 anos de vida, emitiu um pedido de desculpas para "qualquer um que se sentisse desconfortável ou desrespeitado - essa nunca foi minha intenção".

Porém, a CNN não tem intenções de emitir um pedido de desculpas ao ator. Uma porta-voz da CNN disse à ABC News que "as acusações infundadas feitas pelo advogado de Morgan Freeman são dececionantes e são difíceis de conciliar com as declarações públicas do próprio Freeman no rescaldo da história. A CNN mantém a reportagem e irá responder com força a qualquer tentativa de intimidação do ator ou dos seus representantes."

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.