Morgan Freeman exige pedido de desculpa à CNN

O ator acusa o canal de notícias norte-americano de difamação e pede que este se retrate

Numa carta de dez páginas enviada à CNN, o advogado do ator Morgan Freeman exige uma retratação do canal de notícias norte-americano por publicar relatos de mulheres que acusam o ator de assédio sexual. Robert M. Schwartz afirma que o meio de comunicação foi usado para atacar falsamente o cliente.

Segundo a ABC News, o advogado alega que a investigação é "produto de má intenção, falsidades, falta de controlo, falta de controlo editorial e má conduta jornalística". Adianta que a mesma "devastou" o cliente e que "não é correto associar incidentes horríveis de agressão sexual a elogios ou humor fora de lugar".

"Nós apresentámos à CNN evidências objetivas, incluindo negações gravadas pelas alegadas 'vítimas', de que o alegado incidente que deu origem à história nunca aconteceu", disse o advogado em comunicado à ABC News. "Provámos à CNN, além de qualquer dúvida, que toda a história foi construída sobre falsidade. A credibilidade de todo o ataque da CNN ao meu cliente foi agora posto em causa. Ao escolher ignorar as evidências que apresentamos, a CNN confirmou as nossas preocupações sobre os seus repórteres, a sua falta de supervisão e a conduta grosseira em atacar injustamente" o ator.

Recorde-se que a investigação que a televisão levou a cabo sobre o assunto, surgiu depois de uma entrevista que Morgan Freeman deu a Chloe Melas, jornalista do canal, a propósito do filme que protagonizou em 2017, "Ladrões com muito estilo". Um dos depoimentos na reportagem pertence mesmo à repórter, que revelou ter se sentido incomodada com os olhares de Freeman e com alguns comentários inapropriados que lhe teria dirigido.

Depois da emissão da reportagem, o ator, que amanhã comemora 80 anos de vida, emitiu um pedido de desculpas para "qualquer um que se sentisse desconfortável ou desrespeitado - essa nunca foi minha intenção".

Porém, a CNN não tem intenções de emitir um pedido de desculpas ao ator. Uma porta-voz da CNN disse à ABC News que "as acusações infundadas feitas pelo advogado de Morgan Freeman são dececionantes e são difíceis de conciliar com as declarações públicas do próprio Freeman no rescaldo da história. A CNN mantém a reportagem e irá responder com força a qualquer tentativa de intimidação do ator ou dos seus representantes."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.