Modelo que ridicularizou corpo de mulher vai limpar paredes

Em julho, a modelo Dani Mathers publicou no Snapchat a fotografia de uma idosa nua no balneário

A modelo Dani Mathers, que em julho do ano passado provocou indignação nas redes sociais depois de publicar no Snapchat a fotografia de uma idosa nua no balneário, desistiu de contestar a acusação e chegou a acordo. Agora vai ter de limpar paredes grafitadas durante 30 dias e fica em liberdade condicional durante três anos. Está ainda proibida de publicar imagens de outras pessoas sem a respetiva autorização.

Modelo de nu, que fez alguns trabalhos para a Playboy", Dani Mathers estava acusada de invasão de privacidade e arriscava uma pena de prisão até seis meses ou o pagamento de uma multa até mil dólares, cerca de 900 euros.

No início do processo alegou inocência, mas acabou por desistir de contestar. "Acho que ela se quis livrar do caso e aceitar a responsabilidade pelo que aconteceu", disse a advogada, Dana Cole, citada pelo Los Angeles Times. A causídica afirmou também que, apesar de não conhecer a identidade da vítima, a sua cliente pediu desculpas públicas.

O caso remonta a julho do ano passado, quando Dani Mathers publicou numa rede social uma imagem em que ridicularizava o corpo de uma outra mulher enquanto estava estava nua no balneário do ginásio. "Se eu não posso não ver isto, tu também não", escreveu na altura Dani Mathers na legenda da imagem.

A fotografia da mulher, de 70 anos, foi publicada sem o seu consentimento, tendo sido considerado um caso de body shaming.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.