Modelo que ridicularizou corpo de mulher vai limpar paredes

Em julho, a modelo Dani Mathers publicou no Snapchat a fotografia de uma idosa nua no balneário

A modelo Dani Mathers, que em julho do ano passado provocou indignação nas redes sociais depois de publicar no Snapchat a fotografia de uma idosa nua no balneário, desistiu de contestar a acusação e chegou a acordo. Agora vai ter de limpar paredes grafitadas durante 30 dias e fica em liberdade condicional durante três anos. Está ainda proibida de publicar imagens de outras pessoas sem a respetiva autorização.

Modelo de nu, que fez alguns trabalhos para a Playboy", Dani Mathers estava acusada de invasão de privacidade e arriscava uma pena de prisão até seis meses ou o pagamento de uma multa até mil dólares, cerca de 900 euros.

No início do processo alegou inocência, mas acabou por desistir de contestar. "Acho que ela se quis livrar do caso e aceitar a responsabilidade pelo que aconteceu", disse a advogada, Dana Cole, citada pelo Los Angeles Times. A causídica afirmou também que, apesar de não conhecer a identidade da vítima, a sua cliente pediu desculpas públicas.

O caso remonta a julho do ano passado, quando Dani Mathers publicou numa rede social uma imagem em que ridicularizava o corpo de uma outra mulher enquanto estava estava nua no balneário do ginásio. "Se eu não posso não ver isto, tu também não", escreveu na altura Dani Mathers na legenda da imagem.

A fotografia da mulher, de 70 anos, foi publicada sem o seu consentimento, tendo sido considerado um caso de body shaming.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.