Modelo de 70 anos brilha com roupa juvenil

Alicia Borrás foi escolhida para protagonizar uma nova campanha da marca Desigual

Depois de Winnie Harlow, jovem manequim que sofre de uma doença de pele, a marca de roupa Desigual optou por uma modelo de cabelos brancos para promover os seus ideais de diversidade e "beleza inclusiva". Alicia Borrás, de 70 anos, foi a escolhida para brilhar num vídeo da nova coleção Exotic Jeans, sobressaindo entre várias outras manequins e bailarinas mais novas.

Borrás foi Miss Espanha em 1965 e rosto de várias marcas e campanhas publicitárias. Quando tinha apenas 26 anos, retirou-se do mundo da moda para se dedicar a uma vida familiar, regressando há cerca de dois anos, com um convite para desfilar para o estilista Andrés Sardá, em Madrid. "Não tinha intenção nenhuma de voltar a ser modelo", reconheceu, numa entrevista ao jornal El País.

No entanto, desde essa altura, ainda não parou de ser requisitada. "Faço-o porque gosto de moda e acho que algo tem que mudar. As pessoas mais velhas têm conhecimento e experiência e isso é uma mais-valia. Não vou competir com uma miúda de vinte anos, mas sei desfilar e posar", frisou.

Essa capacidade, aliás, nunca a perdeu. É como andar de bicicleta, diz. E os seus truques de beleza são bastante simples: alimentação equilibrada (que manteve durante toda a sua vida) e exercício físico regular, nomeadamente ioga e tonificação muscular.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.