Miss Colômbia para Steve Harvey: "Tem de aprender a ler cartões"

Ariadna Gutiérrez voltou a estar com o apresentador que, por lapso, anunciou que era Miss Universo 2015

Cerca de um mês depois de terem protagonizado um momento insólito no concurso Miss Universo 2015, o apresentador Steve Harvey e a miss Colômbia Ariadna Gutiérrez, que chegou a ser anunciada como a grande vencedora por engano, estiveram frente a frente.

Num especial do programa "Steve Harvey Show", intitulado Miss Universe: The Truth (Miss Universo: A Verdade), a jovem falou sobre aquilo que sentiu ao ter-se apercebido de que, afinal, não era ela a Miss Universo. "Foi um pesadelo. [...] Eu não podia acreditar que aquilo tinha acontecido comigo. Eu precisava de tempo com a minha família para pensar no que fazer", revelou.

Apesar da gaffe cometida por Steve Harvey, Ariadna Gutiérrez mostrou-se bem-disposta e fez várias piadas. "Você tem de aprender a ler cartões. Estava lá. Mas sabe o que aconteceu? Você queria que eu ganhasse", afirmou, divertida.

O apresentador, por seu turno, mostrou-se arrependido pelo erro e pediu desculpas a Gutiérrez. "Você é a única pessoa com quem queria conversar. Por causa de um erro que eu fiz, coloquei-a numa posição onde você nunca deveria ter estado", destacou Harvey.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?