Minnie Driver sobre assédio sexual: "A sociedade permite-o"

A atriz britânica falou pela primeira vez sobre o crime de que foi vítima durante umas férias na Grécia. Tinha 17 anos

Uns dias de férias na Grécia transformaram-se numa experiência traumática para Minnie Driver. A atriz britânica tinha 17 anos quando um rapaz a agarrou "pelo cotovelo" e lhe disse: "Vais dançar comigo". "Respondi-lhe que não e afastei-me dele. Ele puxou-me pelo cabelo, eu tentei libertar-me e ele esmurrou-me", contou em entrevista ao programa StandUP! With Pete Dominick da estação de rádio norte-americana Sirius XM.

A atriz e cantora, hoje com 46 anos, quis apresentar queixa junto das autoridades gregas, mas não foi bem-sucedida, já que foi a si que atribuíram a culpa. "A forma como a polícia colocou os acontecimentos foi a seguinte: "Este rapaz estava apenas a divertir-se e se você tivesse concordado com ele tudo teria corrido bem. Se tivesse apenas dançado com ele não estaria na situação em que se encontra agora", contou a também cantora e compositora.

Minnie Driver acredita que são casos como o que experienciou, em que o dedo é apontado às vítimas, que fazem com que muitas mulheres que sofrem de assédio sexual se remetam ao silêncio. E acusou a sociedade de não culpabilizar os homens quando estes "chegam junto das jovens e lhes tocam, e lhes colocam as mãos no fundo das costas". "É algo que temos de suportar", desabafou a britânica. "As mulheres podem ser molestadas e tocadas. Quando uma jovem diz alguma coisa sobre isso, é desprezada".

A terminar, a intérprete de Good Will Hunting referiu que é por isso que não conhece "uma única mulher que não tenha sido sexualmente assediada em algum momento da sua vida". "Conheço até demasiadas mulheres que passaram por isso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".