Michael Phelps casou em segredo no verão

Michael Phelps e Nicole Johnson casaram-se em junho, numa cerimónia discreta que apanhou de surpresa a imprensa internacional

O atleta olímpico e Nicole Johnson casaram numa cerimónia secreta, a 13 de junho, confirmou a revista "People", que obteve uma cópia do registo de casamento do casal. A cerimónia, adianta a mesma publicação, foi conduzida pelo agente e amigo próximo do nadador, Peter Carlisle.

Em agosto, durante os Jogos Olímpicos de 2016 que ocorreram no Brasil, Michael Phelps havia dito à imprensa que a data da cerimónia já estava agendada. "Mal posso esperar para casar. Será ainda este ano. É o próximo grande passo que quero concretizar", disse.

Mas sabe-se agora, o casal já havia oficializado o noivado há mais de dois meses. A mulher do atleta que arrecadou 23 medalhas de ouro na competição internacional colocou uma imagem discreta na noite de núpcias, em junho, com a legenda: "Que noite memorável com a minha pequena família. Boomer, claro, não queria estar quieto", disse, referindo-se ao filho do casal, de seis meses de idade.

Phelps pediu Nicole Johnson em casamento em fevereiro de 2015 e em maio do mesmo ano nasceu o primeiro filho do casal. A família viajou até ao Rio de Janeiro para dar apoio ao atleta durante os Jogos Olímpicos.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.