Melania Trump foi operada a um rim

A primeira-dama norte-americana efetou uma cirurgia renal esta segunda-feira. Em comunicado, o gabinete da mulher de Donald Trump afirmou que o procedimento correu "bem" e "sem complicações"

Segundo a CNN, Melania Trump, 48 anos, foi submetida esta segunda-feira a uma cirurgia renal, no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed, perto de Washington, DC, de acordo com um comunicado divulgado pelos assessores.

A mulher de Trump estava a ter problemas num dos rins. Apesar de o médico descrever a questão como benigna, este problema requereu atenção médica e levou-a até à sala de operações. Tudo correu dentro do previsto.

"Esta manhã, a primeira-dama Melania Trump foi submetida a um procedimento de embolização para tratar uma doença renal benigna. O procedimento foi bem-sucedido e não houve complicações", disse a diretora de comunicação da primeira-dama, Stephanie Grisham, num comunicado citado pela CNN.

Para já, ainda não há previsões para alta médica.

"Melania Trump está no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed e provavelmente permanecerá lá durante a semana. A primeira-dama espera uma recuperação completa para poder continuar o trabalho em prol das crianças em todos os lugares", lê-se no documento de Grisham.

Afastado do hospital esteve Donald Trump. Segundo Grisham ele "deverá visitar a mulher em breve".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.