Mel C passa da fama à pobreza, mas só no palco

A 'Sporty Spice' está em palco no Phoenix Theatre, em Londres.

Melanie C, também conhecida por Sporty Spice (ou, outras vezes e por outra gente, pelo diminutivo Mel C), encontrou agora o sucesso no teatro, num musical do West End intitulado Blood Bro- thers, onde todas as tardes desempenha o papel de Mrs. Johnstone, uma dona de casa que vive na pobreza depois de ter sido abandonada pelo marido.

Felizmente, a vida de Melanie Chisholm, que encontrou o sucesso em 1994 após ter sido escolhida para substituir Lianne Morgan, a quinta Spice Girl, que abandonou a girl band antes do lançamento do primeiro álbum do grupo em 1996, é o oposto exacto do papel que desempenha no Phoenix Theatre, de Charing Cross, Londres. A cantora vive desde 2002 com o empresário da construção civil Thomas Starr, depois de uma carreira a solo onde colaborou com Bryan Adams e lançou quatro álbums a solo, e de romances com Robbie williams e Anthony Kiedis, dos Red Hot Chilli Peppers.

"As vezes fico tão nervosa que sinto vontade de chorar", confessa, acerca da sua nova trajectória de carreira, que considera "o trabalho mais difícil" que já fez. Algo estranho, principalmente tendo em conta o fenómeno global que as Spice Girls se tornaram em meados dos anos 90, desencadeado uma sucessão de cópias e de grupos semelhantes, com resultados cada vez menos satisfatórios.

Para além da Ginger Spice, Geri Haliwell, e da Scary Spice, Mel B, a Sporty Spice foi a única integrante da primeira (e talvez a maior) girl band da história que conseguiu prosseguir uma carreira musical duradoura, tendo a Posh Spice, Victoria Beckham, encontrado um tipo completamente diferente de protagonismo ao casar com o futebolista David Beckham. Ainda assim, as Spice Girls fizeram uma curta digressão de reunião em 2007, e estão de óptimas relações, apesar das circunstâncias que rodearam a sua ruptura em 2001.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.