Meia-irmã de Meghan Markle defende o pai e assume ser a culpada pela polémica das fotos

Samantha Markle afirma que foi ela quem combinou o esquema com o paparazzo. Diz tê-lo feito "com boas intenções". Sem convite para o casamento real, a modelo espera que o pai melhore e possa comparecer

Foi em entrevista ao programa Good Morning Britain, da ITV News, que a meia-irmã de Meghan Markle, Samantha, assumiu ter sido a responsável pelo escândalo das fotos em que o pai Thomas teria um acordo com um paparazzo para vender imagens combinadas da família, a uma semana do enlace real entre a atriz da série "Suits" e o príncipe Harry.

"Na verdade, foi tudo feito com a intenção de fazer a família real britânica parecer boa e também o meu pai. Os meios de comunicação retrataram-no de uma maneira tão injusta, sob uma luz negativa. Ele tinha a obrigação moral de acertar as contas e de se defender. Qualquer um que não possa respeitar isso, eu não compreendo", disse a antiga manequim, que não foi convidada para a cerimónia que se realiza este sábado, em Londres.

Depois da polémica das fotos, Thomas Markle disse ao site TMZ que não ia ao casamento para evitar embaraçar a filha e a família do noivo. À mesma publicação revelou que dias antes tinha sofrido um enfarte.

Samantha falou sobre isso e culpou a imprensa de o estar a colocar "numa posição muito perigosa". Citada pelo jornal The Guardian a filha do primeiro casamento de Thomas Markle disse:

"Ele estava realmente com dores no coração e sofreu um ataque cardíaco, foi uma quantidade inacreditável de stress. [Ele] ligou-me em pânico na estrada porque estava a ser seguido por sete ou oito carros. Eu acho que tem havido exemplos na história de como isso pode ser perigoso. Ele estava tão stressado que alugou a casa ao lado dele no México, não podia abrir as persianas, não podia ir a lado nenhum sem ser seguido. É muito atroz e intrusivo e, acho, altamente antiético ".

Samantha espera que o pai melhore e que mude de ideias em relação a comparecer na cerimónia. Afinal, era ele quem ia entregar a meia-irmã, Meghan, a Harry, no altar da Capela de St. George.

Um porta-voz do Palácio de Kensington reagiu ao facto de Thomas poder não comparecer ao casamento real: "Este é um momento profundamente pessoal para Markle nos dias que antecederam o seu casamento. Ela e o Príncipe Harry pedem novamente compreensão e respeito a serem estendidos ao Sr. Markle nesta difícil situação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.