Meghan Markle pode casar sem o pai. Depois do escândalo das fotos, Thomas sofre enfarte

Thomas Markle falsificou fotografias num acordo em que lucrava mais de 100 mil euros. Segundo o site TMZ, o esquema foi desmontado e "há seis dias" o pai da noiva sofreu um enfarte que o pode impedir de ir a boda

Thomas Markle terá aproveitado o casamento da filha Meghan Markle e Harry, marcado para o próximo dia 19 de maio, em Londres, para ganhar algum dinheiro.

Porém, o esquema foi descoberto e o ex-diretor de iluminação de Hollywood já veio dizer ao site TMZ que poderá não comparecer à boda porque sofreu um ataque de coração "há seis dias".

Apesar de ter saído do hospital a tempo de comparecer à cerimónia, Thomas terá dito que "para não embaraçar a família real, poderá falhar a união", lê-se no site.

Nada indica que o enfarte do pai da atriz tenha tido alguma coisa a ver com o facto de o jornal britânico Daily Mail ter desmontado o escândalo das fotografias encomendadas a uma semana da boda.

Segundo o ABC, Thomas terá combinado com um paparazzo britânico algumas fotos suas, que terá vendido por mais de 100 mil euros. Isto depois de Harry lhe ter pedido expressamente para ajudar a família real inglesa a manter o casamento longe da imprensa.

O Palácio de Kensington ainda não comentou o assunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.