Mario Testino, o fotógrafo das celebridades, acusado de "explorar sexualmente manequins"

Manequins e funcionários denunciaram ao The New York Times Mario Testino, que fotografou até a realeza britânica, e o também fotógrafo Bruce Weber

Mario T estino, um dos fotógrafos favoritos das celebridades, está a ser acusado de assédio sexual e de "explorar sexualmente" os manequins que fotografa, tendo sido por isso suspenso de trabalhar com revistas de moda, nomeadamente com a Vogue. As mesmas acusações são feitas ao fotógrafo Bruce Weber.

A notícia foi avançada pelo The New York Times e Anna Wintour, a diretora do grupo Condé Nast, que publica revistas como a Vogue e a GQ, disse já que o grupo não deverá contratar Testino ou Weber num futuro próximo, no seguimento dos testemunhos que foram recolhidos pelos jornalistas. "Acredito firmemente no valor do arrependimento e do perdão, mas levo muito a sério as alegações e, na Condé Nast, decidimos suspender a nossa relação de trabalho com ambos os fotógrafos no futuro próximo", informou Wintour em comunicado, acrescentando que as denúncias contra "amigos pessoais" foram "difíceis de ouvir" e a deixaram destroçada.

Testino, que tirou as fotografias oficiais do noivado dos Duques de Cambridge, William e Kate, foi acusado por 13 assistentes do sexo masculino e também manequins de os ter sujeitado a avanços sexuais. Alguns garantem mesmo que o comportamento do fotógrafo remonta à década de 1990 e que estes avanços incluíam toques indesejados e masturbação.

Um modelo que trabalhou com Testino em campanhas da Gucci, Ryan Locke, acusa-o de ser um "predador sexual". Hugo Tillman, assistente de fotografia, diz que o assédio sexual era "constante" e que Testino chegou a masturbar-se na frente dele, enquanto noutra ocasião o prendeu a uma cama e foi preciso que outra pessoa viesse soltá-lo.

Os advogados do fotógrafo peruano de 63 anos já vieram negar todas as acusações.

Já sobre o norte-americano Bruce Weber, o jornal norte-americano escreve que pelo menos 15 manequins e ex-manequins denunciam que foram obrigados a nudez desnecessária e sujeitos a comportamentos sexuais coercivos. "Estou completamente chocado com as denúncias ultrajantes feitas contra mim, que nego em absoluto", disse Weber, de 71 anos, em comunicado.

O modelo Josh Ardolf garante que Weber lhe apalpou os genitais durante uma sessão fotográfica e um outro manequim, Bobby Roache, diz que o fotógrafo tentou meter-lhe a mão dentro das calças durante um casting em 2007.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.