Mãe de Rodrigo Guedes de Carvalho burlada por prima

O Ministério Público do Porto acusou uma sexagenária de burla informática e furto do cartão de multibanco à mãe do jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho, que alegadamente foi lesada em mais de 11.000 euros.

A arguida terá furtado o cartão multibanco, usando-o para realizar levantamentos e compras de artigos de luxo no valor de 11.183,51 euros, segundo a acusação do Ministério Público do Porto, consultada hoje pela Lusa.

Os crimes de furto e de burla informática, por que a arguida está acusada, foram facilitados pelas suas relações de parentesco com a vítima - são primas - e "de boa amizade", indica o processo.

Segundo a acusação, essa proximidade fez com que a vítima, que tem problemas de visão, fosse confiando à prima o cartão multibanco e respetivo código, na altura de pagar as despesas que fazia na sua companhia.

A acusação da 4.ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal indica que a arguida acabou por furtar o cartão à vítima, após pagar a refeição de ambas num restaurante da rua do Bom Sucesso, no Porto, em 17 de dezembro de 2010.

No mesmo dia, usou-o para fazer dois levantamentos (de 200 euros cada) e para comprar um colete com pele de vison, perfumes e cremes, calçado e luvas.

Os levantamentos e as compras prosseguiram nos três dias seguintes, até que a lesada cancelou o cartão.

A vítima e o marido (co-titular da conta) reclamam de indemnização à arguida igual ao valor global de compras e levantamentos dados por indevidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.