Madonna voltou a Lisboa e quase passou despercebida

Cantora foi vista no Bairro Alto

A cantora Madonna regressou a Portugal e foi vista esta quarta-feira à noite a andar pelo Chiado e Bairro Alto.

A artista pop passou pelo Teatro da Trindade, pelo restaurante Bairro do Avillez e pela barbearia O Purista, na Rua Nova da Trindade, antes de "andar tranquilamente no Bairro Alto", como contou ao DN Bia Silva, da empresa First Class Concierge.

No Instagram da First Class Concierge, uma empresa "vocacionada a auxiliar a todos os estrangeiros que vivem em Portugal", como se lê no site, foram publicados vídeos e fotografias de Madonna em Lisboa.

"Infelizmente ela não usou os nossos serviços", disse Bia ao DN, confessando que encontrou a cantora na rua por acaso.

Madonna estava com seis homens, quatro deles "com porte de segurança e três mulheres", uma das quais era portuguesa.

Bia contou que pediu para tirar uma fotografia com a Madonna, mas uma das mulheres, que Bia descreveu como uma das assessoras da cantora, disse-lhe em português que a artista não iria ser fotografada com os fãs porque "está de férias".

"As pessoas não reconheceram a Madonna. Só eu", continuou Bia, que diz que a cantora não chamou tanto a atenção como o esperado.

Madonna já esteve em Portugal em maio, altura em que terá visitado várias quintas e imóveis com vista à aquisição de propriedade.

Em maio, a cantora visitou locais como o Mosteiro dos Jerónimos, o parque Eduardo VII, o Oceanário de Lisboa e a praia do Meco e publicou várias fotografias dos passeios nas redes sociais.

Desta vez, a cantora ainda não publicou nenhuma fotografia que deixe perceber o regresso a Portugal.

Na última visita, Madonna tinha mostrado uma ligação ao Benfica, já que publicou uma fotografia das filhas vestidas com camisolas do clube, outra em que a própria aparece com a camisola vestida e ainda uma imagem no estádio do "glorioso", como disse na legenda.

Também o filho de Madonna treinou com a equipa de sub-12 no centro de estágios do Benfica e foi apanha-bolas num jogo do clube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.