Madonna recebe indemnização por invasão de privacidade

Em causa estava um artigo divulgado pelo site MailOnline enquanto decorria o processo de adoção das duas filhas gémeas da cantora

Madonna vai receber uma indemnização de um grupo de comunicação social devido à publicação de um artigo relacionado com a adoção das duas filhas gémeas. A estrela da pop e a Associated Newspapers chegaram a acordo neste caso, cujo valor envolvido não foi divulgado mas que será doado.

Madonna adotou as duas gémeas de quatro anos, Stella e Estere, em fevereiro. Na época, a cantora pediu aos média que respeitassem a sua privacidade, bem como das crianças, enquanto decorria o processo. O site MailOnline publicou em janeiro, antes da conclusão do processo, um artigo em que revelava os nomes, etnia e idade das duas meninas, além do facto de ambas viverem num orfanato no Malawi e de estar pendente o pedido de adoção por parte da cantora.

De acordo com a advogada de Madonna, essas revelações foram motivo de stresse e angústia.

Durante a audiência, que decorreu esta quinta-feira, Jenny Afia afirmou que o artigo tinha sido publicado numa altura em que Madonna seria impotente de proteger as duas meninas, sendo que a publicação poderia ter ameaçado a integridade e o resultado do processo de adoção, o que teria tido implicações na vida das meninas, bem como de Madonna e família.

"Madonna avançou com este litígio porque o jornal ameaçou a segurança das meninas, nomeando-as antes de serem adotadas. Ela tomará sempre as medidas possíveis para proteger o bem-estar da sua família", disse Jenny Afia citada pela BBC, após a audiência.

A indemnização paga pela Associated Newspapers será doada ao Mercy James Institute for Peadiatric Surgery, o hospital para crianças que abriu no inicio deste mês, no Malawi, e que recebeu o nome de uma das meninas adotada pela cantora.

"Ela está satisfeita por pelo menos algo de bom ter saído desta situação", concluiu representante de Madonna.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).