Madonna e irmã de Amália Rodrigues cantam Elvis em casa de fados

"É maravilhoso sentar-me ao lado desta lenda viva, Celeste Rodrigues, e cantar com ela", escreveu a cantora nas redes sociais

Madonna não esconde os bons momentos que tem vivido em Portugal. O mais recente, que divulgou nas redes sociais, foi partilhado com a fadista portuguesa Celeste Rodrigues, a irmã de Amália Rodrigues, na casa de fados Mesa de Frades, em Alfama.

Numa publicação no Instagram, as duas cantam o tema de Elvis Presley Can't Help Falling in Love. Na descrição, Madonna escreve: "Elvis está a seguir-me para todo o lado. É maravilhoso sentar-me ao lado desta lenda viva, Celeste Rodrigues, e cantar com ela. Uma das minhas músicas favoritas. Com o guitarrista Tumiko!". Celeste Rodrigues, a irmã de Amália, tem 94 anos.

Ainda noutro vídeo, Madonna, Celeste Rodrigues e outros artistas, como Dino D'Santiago, cantam Petit Pays de Cesária Évora. "Um pequeno tributo à grande Cesária Évora", lê-se na descrição.

Numa entrevista recente à revista Veja, a cantora já tinha mencionado estar encantada com os excelentes músicos que há em Portugal e o interesse em trabalhar com eles em espetáculos mais intimistas, garantindo que um dos motivos pelos quais decidiu mudar-se para o país era inteirar-se da cultura local. Madonna também afirmou que ouve fado e que se tem inspirado em artistas locais para o novo álbum que está a preparar, numa entrevista ao Entertainment Weekly.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.