Luciana Abreu: "Não acredito no amor para sempre"

A atriz e cantora revelou que, quando se casou com Yannick Djaló, achou que seria "um amor para toda a vida". Luciana esclarece, no entanto, que mantém uma relação cordial com o pai das filhas

Luciana Abreu é capa da edição de novembro da revista Cristina, juntamente com as filhas, Lyonce, de cinco anos e Lyanii, de três anos e meio. Numa entrevista reveladora, a cantora e atriz afirma que considera "praticamente impossível" reconstruir a vida amorosa.

Divorciada do futebolista Yannick Djaló desde 2013, Luciana afirma: "não acredito no amor para sempre. Eu sempre esperei que fosse para sempre. Um dia cheguei a sonhar que era possível. Mas já não acredito nisso".

Luciana Abreu e Yannick Djaló casaram-se em maio de 2010. Um compromisso que a atriz pensava ser para sempre. "Sonhei com um amor para toda a vida [...] Na altura, achei mesmo que tinha encontrado a pessoa certa", afiança.

Nesta entrevista, a cantora faz questão de frisar que, ao contrário do que tem sido especulado nos últimos anos, mantém uma relação cordial com o pai das filhas, que está atualmente a viver na Tailândia. "Dou-me muito bem com ele, sim. Até para o bem-estar das nossas filhas, para que elas tenham estabilidade emocional [...] Já fomos mais novos, já [pausa] fizemos e dissemos coisas que não queríamos fazer e dizer", admite Luciana Abreu.

Na mesma entrevista, a cantora fala pela primeira vez sobre o seu pai, Luís Sodré Costa Real. Luciana encontra-se atualmente envolvida num processo judicial com o progenitor, tendo Luís Sodré Costa Real processado a filha por difamação. Em causa estão declarações feitas por Luciana em 2005, sobre as agressões do pai à mãe, Ludovina, episódios esses que aconteceram durante a sua infância.

Luciana revela que não vê o pai "há 10 anos" e que Luís Costa Sodré Real nunca a tentou reencontrar. "A única situação que existiu entretanto foram declarações dele à imprensa. Declarações muito feias. Escândalos... Porque eu nunca falei do meu pai. Esta é a primeira vez que falo do meu pai nunca entrevista", explica, dizendo ainda que gostava de conversar com o pai: "gostava de tentar perceber coisas que aconteceram no passado. Para seguir em frente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.