Lady Gaga recusa comparar-se a Madonna. "Eu toco muitos instrumentos"

Em entrevista ao programa "Beats 1" da Apple Music, a cantora norte-americana admitiu que Madonna "é a maior estrela pop de todos os tempos", mas rejeitou comparações

Desta vez, foi Lady Gaga quem atirou as achas para a fogueira. Em entrevista ao programa Beats 1 da Apple Music, para falar sobre o lançamento do seu mais recente álbum, Joanne, a cantora norte-americana admitiu que Madonna "é a maior estrela pop de todos os tempos", mas rejeitou comparações. "Não quero faltar ao respeito a Madonna, pois ela é uma senhora simpática. Tem uma carreira fantástica e é a maior estrela pop de todos os tempos. Mas eu toco muitos instrumentos, eu escrevo todas as minhas músicas, passo horas em estúdio, sou produtora, sou escritora. O que eu faço é diferente", disse Gaga.

A insinuação prosseguiu, com a cantora e atriz a garantir que "há espontaneidade no seu trabalho". "Eu permito-me falhar, vacilar. Não tenho medo das minhas falhas. Existem inúmeras diferenças entre mim e Madonna. Não vou tolerar mais ser comparada com alguém. Sou eu mesma, a minha história de vida é minha", terminou.

As hostilidades entre as duas norte-americanas começaram em 2012, aquando do lançamento do single Born This Way, de Lady Gaga. Na altura, e já depois de esta ser apelidada de "a próxima Madonna", a Rainha da Pop acusou-a de ter copiado o seu êxito Express Yourself, editado em 1989.

Madonna acusou Lady Gaga, em 2012, de copiar uma das suas músicas

Três anos depois, Madonna falou sobre a suposta rivalidade. "Vivemos num mundo em que as pessoas gostam de pôr as mulheres umas contra as outras. E é por isso que eu amo a ideia de abraçar outras artistas que fazem o que eu faço. É importante que nos apoiemos mutuamente. A única vez que critiquei foi quando senti que ela copiou uma das minhas canções. Não tem nada a ver com "roubar a coroa" ou "ela está no mesmo espaço que eu". Acho-a muito talentosa como cantora e compositora. Foi apenas um pequeno problema", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.