Lady Gaga vai cantar o hino no Super Bowl

Gaga vai interpretar 'The Star Spangled Banner' na 50ª edição da final da competição, que acontece este domingo

Alicia Keys, Christina Aguilera, Beyoncé, Mariah Carey: eis alguns dos nomes que já interpretaram o hino nacional dos EUA naquele que é um dos espectáculos televisivos mais vistos do mundo: a Super Bowl, final da National Football League - a liga de futebol americano. Este ano, a honra de interpretar The Star Spangled Banner cabe a Lady Gaga.

A intérprete de êxitos como Bad Romance ou Poker Face vai interpretar o hino norte-americano no centro do relvado do Levi's Stadium, em Santa Clara, Califórnia, onde, este domingo, se vão defrontar as equipas dos Carolina Panthers e Denver Broncos. No ano passado, foi Idina Menzel, intérprete da música Let it Go, da banda sonora do filme da Disney Frozen, quem cantou o hino.

Coldplay, Beyoncé e Bruno Mars são os artistas que atuarão no intervalo da Super Bowl. O jogo é transmitido este ano pela CBS. Em Portugal, a partida pode ser vista na Sport TV2, a partir das 23.30.

A Super Bowl é uma das transmissões televisivas mais vistas (e rentáveis) do mundo. Este ano, os anunciantes pagam cerca de cinco milhões de dólares (4,57 milhões de euros) por 30 segundos de publicidade durante a emissão.

Veja Lady Gaga a interpretar o hino dos EUA no NYC Pride Rally, em 2013:

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.