Ladrão que levou vestido de Lupita Nyong'o devolve-o porque pérolas eram falsas

O modelo da Calvin Klein, com seis mil pérolas brancas cosidas à mão, valeria 150 mil dólares. Mas o ladrão retirou duas e concluiu que eram falsas. Por isso, decidiu devolver o vestido.

O vestido usado pela atriz Lupita Nyong'o na cerimónia de entrega dos Óscares, no domingo, e que fora roubado de um quarto de hotel esta semana foi devolvido ontem. O ladrão contactou o site TMZ e indicou onde o modelo da Calvin Klein, que valerá cerca de 150 mil dólares, poderia ser encontrado.

De acordo com o site, o ladrão disse que colocara o vestido no mesmo hotel de onde foi roubado, o The London West Hollyood, em Los Angeles, na casa de banho do segundo piso, mesmo ao lado do centro de fitness. O larápio terá ainda explicado que retirou duas das seis mil pérolas brancas cosidas à mão para as avaliar e que terá sido informado que estas eram falsas. Por isso, decidiu devolvê-lo e dizer ao mundo que Hollywood falsifica.

O TMZ alertou as autoridades, que foram ao local indicado e encontraram o vestido. Agora, investiga-se se é mesmo o modelo que fora roubado, embora se acredite que sim. Independentemente de as pérolas serem verdadeiras ou falsas, a polícia vai continuar a investigar o roubo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.