Kutcher identificou 2000 crianças vítimas de tráfico em seis meses

Num discurso perante um comité do Senado norte-americano, o ator Ashton Kutcher afirmou que a sua organização já conseguiu identificar 2000 crianças vítimas de tráfico nos últimos seis meses.

O ator Ashton Kutcher protagonizou um discurso emotivo na mais recente reunião da Comissão de Relações Exteriores do Senado, em Washington, à qual compareceu como um dos fundadores da Thorn, uma organização criada em 2009 que desenvolveu um software para ajudar a travar o tráfico de crianças.

O ator norte-americano de 39 anos afirmou que, só nos últimos seis meses, a organização conseguiu identificar 2000 crianças vítimas de tráfico, e apelou para que mais seja feito na luta contra o abuso sexual de menores.

Kutcher, que é pai de dois filhos, fruto do seu relacionamento com a atriz Mila Kunis, frisou: "Como parte do meu trabalho antitráfico, já conheci vítimas na Rússia, na Índia, vítimas que foram levadas do México, de Nova Iorque, de Nova Jérsia e um pouco por todo o território norte-americano", começa por explicar.

"Já participei em buscas do FBI em que vi coisas que nenhuma pessoa deveria ver. Já vi o vídeo de uma criança, que deverá ter a mesma idade dos meus filhos, a ser violada por um homem norte-americano que foi em busca de turismo sexual no Camboja", acrescentou Ashton.

No discurso, que foi publicado no YouTube, o protagonista da série de comédia "Dois Homens e Meio" revelou ainda que o departamento de Segurança Nacional dos EUA já chegou a pedir a ajuda da sua organização para encontrar, mais rapidamente, determinadas vítimas de tráfico e abuso sexual. ""Éramos a sua última defesa. Um ator e a sua organização eram a potencial última defesa da Segurança Nacional", atirou Kutcher. E rematou, empenhado na Thorn: "Este é o meu trabalho diário e vou mantê-lo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.