Juiz impõe fiança civil de 8,1 ME a genro do rei espanhol

Um juiz de instrução fixou hoje uma fiança civil de 8,1 milhões de euros ao genro do rei espanhol, Iñaki Urdangarin, e ao seu sócio, por possíveis responsabilidades pecuniárias que ambos possam ter no processo em que estão envolvidos.

A decisão foi tomada por José Castro, juiz de instrução do caso que investiga o alegado desvio de milhões de euros de fundos públicos através do Instituto Nóos, processo em que, além de Urdangarian, é acusado o seu sócio Diego Torres.

Torres tem vindo a afirmar, perante a justiça, ter documentos que, alega, provam o envolvimento da mulher de Urdangarin, a infanta Elena, filha de Juan Carlos.

Na terça-feira, foi também imputado no caso o assessor e secretário das infantas Elena e Cristina, Carlos García Revenga.

A Casa Real deverá revelar hoje que medidas adotará relativamente a Revenga, especialmente, segundo informou um porta-voz à agência Efe, porque na declaração de imputado do secretário não se clarifica exatamente de que é acusado.

No que toca à decisão de hoje, o juiz de instrução do caso -- que faz parte de um processo mais amplo conhecido como Palma Arena -- dá aos dois arguidos cinco dias para que executem o pagamento.

Trata-se de uma fiança, explica, que pretende cobrir possíveis responsabilidades pecuniárias que possam vir a ser declaradas aos dois sócios.

O valor da fiança vai de encontro ao montante pedido pela procuradoria espanhola e pela acusação popular, exercida, neste caso, pela organização de extrema-direita Sindicato Manos Limpias.

A procuradoria anticorrupção suspeita que Urdangarin e Torres montaram uma rede de empresas para desviar fundos públicos do Instituto Nóos, entidade que, entre 2004 e 2007, recebeu pelo menos 5,8 milhões de euros de várias administrações públicas, nomeadamente do Governo das Baleares e da Generalitat Valenciana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.