Jovem processa R Kelly por abuso e diz que ele a infetou com uma DST

Mais uma alegação que envolve o cantor de 51 anos. Faith Rodgers fala ainda num contexto de "mestre e escravos" entre o artista e quem o rodeia

Faith Rodgers, de 19 anos, conheceu R Kelly em 2017 e tiveram uma relação durante quase um ano. Agora, a jovem colocou um processo em tribunal contra o artista de 51 anos, que tem estado envolvido em várias polémicas relativas a casos de alegado abuso sexual. Inclusivamente, plataformas como o Spotify já não têm a música de R Kelly, na sequência de um movimento que apelou a um boicote ao artista.

Em entrevista à BBC, contou que se conheceram no Texas e, em maio de 2017, apanhou um voo para Nova Iorque para assistir a um concerto do cantor. Às seis da manhã recebeu uma chamada de R Kelly e este foi até ao hotel da jovem, onde ordenou depois que ela se despisse. Faith Rodgers diz que o comportamento foi "bastante agressivo" e que "congelou" quando o artista tentou ter sexo com ela.

"Disse-lhe que não estava pronta", afirmou a jovem. No entanto, R Kelly forçou-a a ter relações sexuais, enquanto dizia coisas "degradantes". A jovem viria a descobrir depois ter contraído herpes do cantor.

Faith Rodgers diz que foi abusada, fisicamente e verbalmente, e conta episódios de sexo forçado que foram, inclusivamente, dolorosos, incluindo antes de um concerto em que R Kelly ignorou quem o chamava para subir a palco. Diz também ter sido obrigada a fazer coisas enquanto era filmada com as quais não se sentia "confortável".

Revela ainda que ele tentou que ela assinasse um contrato, mas que não aceitou.

"Ele é o mestre e os outros são escravos", acrescenta ainda, explicando um conjunto de regras na entourage do cantor, que incluem levantar-se quando ele entra ou dar-lhe um beijo na boca sempre que ele chega a algum local.

R Kelly e os seus representantes têm negado todas as alegações ao longo dos últimos meses.

As primeiras acusações de abusos sexuais contra o artista - nascido Robert Sylvester Kelly - surgiram ainda nos anos 1990. Em 1996, chegou a acordo fora dos tribunais com Tiffany Hawkins, que o acusava de ter mantido uma relação sexual com ela quando tinha 15 anos. Em 2008, acabou ilibado das acusações de pornografia infantil, depois de ter sido acusado de manter e filmar encontros sexuais com uma adolescente de 14 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.