José Cid pede desculpa aos transmontanos: "fui injusto com pessoas que gostam de mim"

Em comunicado enviado às redações, o músico pediu desculpas pelos comentários depreciativos feitos num programa do Canal Q, de 2010, retransmitido este fim-de-semana

"Na sequência de uma entrevista pouco feliz que dei ao Nuno Markl, num dos seus programas do Canal Q, há já algum tempo, em que, injustamente, falei mal do público e do povo transmontano, apresento, por esta via, as minhas mais sinceras desculpas", começa por ler-se no comunicado, enviado à comunicação social pela ACid Records, produtora de José Cid.

A polémica entrevista foi originalmente emitida no Canal Q em 2010, e reposta este domingo no mesmo canal. No programa de Nuno Markl, José Cid caracterizava os transmontanos como "pessoas medonhas, feias e desdentadas". "Foi um momento irrefletido, em que, admito, fui injusto com pessoas que gostam de mim, que sempre me apoiaram, ouviram e partilharam a minha música", justifica Cid.

O músico, que tinha um concerto agendado para 11 de junho em Alfândega da Fé (distrito de Bragança, Trás-os-Montes), admite ter errado nas declarações proferidas no programa. "Lamento muito, de facto e, se errar é humano, eu errei convosco e muito! Estou muito triste comigo! Um imenso pedido de desculpas a todos os que se possam ter sentido ofendidos com as minhas palavras. Desculpem-me, se assim o puderem".

Em declarações ao Mensageiro de Bragança, a presidente da autarquia de Alfândega da Fé informou que o concerto agendado para 11 de junho foi cancelado, na sequência das afirmações de José Cid. "Consideramos que as declarações do músico foram lamentáveis e infelizes e o mínimo que se pede, é um pedido de desculpas aos transmontanos", declarou Berta Nunes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.