Jogadores portugueses na Turquia solidários com vítimas do atentado

Nani, Ricardo Quaresma e Raul Meireles expressaram o seu pesar nas respetivas redes sociais quanto ao atentado no Aeroporto de Atatürk.

Na ressaca do atentado que provou várias dezenas de mortos esta terça-feira no Aeroporto de Atatürk, na capital turca de Istambul, alguns dos principais jogadores de futebol portugueses que estão no campeonato turco reagiram nas suas redes sociais.

Nomes como Nani ou Ricardo Quaresma, que estão em França ao serviço da Seleção Nacional no Europeu, já deixaram uma mensagem de apoio às famílias das vítimas e à população turca.

"Deixo aqui os meus sentimentos a todos os que estão a sofrer a perda de um ente querido no último bombardeamento. Nada justifica tirar a vida de outra pessoa. A Paz precisa de ser mais que apenas uma palavra", escreveu Quaresma, jogador do Besiktas e autor do golo decisivo na vitória de Portugal sobre a Croácia, na sua página no Facebook.

Já Nani, que na última temporada alinhou no rival Fenerbahçe, escolheu uma fotografia da antiga Constantinopla com a legenda "Rezem por Istambul" no seu perfil no Instagram.

Raul Meireles, na sua conta no Twitter, referiu que os seus "pensamentos e orações estão com toda a gente na Turquia". "Somos todos contra o terrorismo", continuou o também jogador do Fenerbahçe (treinado pelo português Vítor Pereira), anexando uma imagem de um coração com a bandeira turca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.