João Manzarra conta histórias da adolescência

O apresentador do concurso 'Ídolos' faz a sua estreia  na escrita com um diário das suas peripécias enquanto estudante.

Minutos antes da apresentação do livro O Diário do Manzarra, o apresentador do programa da SIC Ídolos não conseguia esconder alguma inquietude e nervosismo. A primeira aventura do apresentador nas lides da escrita relata 30 peripécias de João Manzarra durante a sua adolescência. O apresentador, de 25 anos, confessou que mais de metade das histórias narradas no seu diário "são verídicas". "A minha adolescência foi normal, com algumas peripécias. No livro falo do meu percurso nos escuteiros, no voleibol, da candidatura à associação de estudantes, da minha relação com as miúdas (risos)", contou o rosto da estação de Carnaxide.

Segundos depois de subir ao palco da Fnac do centro comercial Alegro, em Alfragide, o nervoso Manzarra deu lugar ao entertainer que, todos os domingos, anima as noites da SIC. Coadjuvado por Cláudia Vieira, Manzarra foi o anfitrião de uma apresentação literária original.

Célia Bastos, mãe do apresentador, foi chamada ao palco para ler um texto elogioso sobre o filho, onde nem uma comparação com Barack Obama faltou. Brincadeiras à parte, a mãe do apresentador elogiou o "coração de ouro" do filho e disse que o único defeito de Manzarra é "chegar atrasado". António Miguel Manzarra também fez questão de estar presente no lançamento do primeiro livro do filho e, com visível orgulho, contou como, na infância, João já mostrava talento para o mundo do espectáculo. "Quando tinha quatro anos, já entrava em peças de teatro no jardim-escola. Sempre gostei e apoiei tudo o que ele fazia", disse o tradutor e ex-instrutor de ioga, que revelou que o filho era seu ajudante nas aulas de prática oriental. "Ele andava no meio das minhas alunas a corrigir as posições. Ele sabe fazer a posição de lótus, o que não é para toda a gente!", disse António Miguel Manzarra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?