Joan Rivers morreu por privação de oxigénio no cérebro

A autópsia realizada ao corpo de Joan Rivers, comediante que morreu em setembro na sequência de um procedimento médico, indica que uma complicação privou o cérebro de oxigénio

O chfe do gabinete de medicina legal de Nova Iorque revelou hoje num comunicado que Joan Rivers morreu de "encefalopatia anóxica devido a hipóxia durante a realização da laringoscopia e endoscopia". Quer isto dizer que a privação de oxigénio no cérebro da comediante lhe provocou danos cerebrais.

A investigação referiu-se à morte como uma "complicação previsível" e concluiu que Joan Rivers decidiu realizar aquele procedimento para perceber as razões de mudanças na sua voz e para lidar com problemas de refluxo gástrico.

Joan Rivers morreu a 4 de setembro, aos 81 anos, no seguimento de um procedimento médico na garganta, realizado a 28 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.