Jennifer Lawrence volta a ser a atriz mais bem paga do mundo

A revista Forbes divulgou o ranking das atrizes mais bem pagas de 2016

Jennifer Lawrence volta a ser a atriz mais bem paga do mundo, segundo o "ranking" da revista Forbes. Com uma fortuna de 46 milhões de dólares (40,6 milhões de euros), angariada nos últimos 12 meses, a atriz de 26 anos é também, pelo segundo ano consecutivo, a mais jovem a conseguir o feito.

Grande parte dos lucros de Lawrence provêm do filme Os Jogos da Fome: A Revolta - Parte 2, o último da saga baseada na obra de Suzanne Collins, que arrecadou uns impressionantes 578 milhões de euros em bilheteira.

O segundo lugar da lista da Forbes é ocupado por Melissa McCartney. Com 29,1 milhões de euros amealhados, a atriz do novo Caça-Fantasmas ultrapassa Scarlett Johansson, a terceira colocada com 22,1 milhões de euros somados nos últimos 12 meses.

Jennifer Aniston subiu uma posição em relação ao ano passado, surgindo agora em quarto lugar com ganhos de 18,5 milhões de euros. Curiosamente, destaca a Forbes, grande parte das receitas de Aniston não vêm do grande ecrã, mas de campanhas publicitárias para marcas como a Emirates Airlines, Smartwater, Aveeno ou Living Proof.

De destacar ainda o progresso de Mila Kunis, que passou de um 16.º lugar para o nono, angariando 9,7 milhões de euros no decorrer do último ano.

"Apesar de estas atrizes ganharem mais do que aquilo com que a maioria das pessoas pode sonhar, os seus lucros no cinema são apenas uma fração dos lucros dos seus homólogos masculinos. Um estudo recente mostra que as personagens femininas ocupam apenas 28,7% dos papéis existentes em filmes. Quando as mulheres estão no ecrã, é provável que seja para agradar aos homens", sublinha a Forbes.

Para comprovar esta afirmação, basta olhar para os lucros de Jennifer Lawrence, que foram quase metade dos de Robert Downey Jr., o líder em 2015, com 70,7 milhões de euros.

Nomes como Sandra Bullock, Angelina Jolie, Kristen Stewart, Reese Witherspoon e Cameron Diaz ficaram, desta vez, de fora do ranking das 10, dando lugar a Fan Bingbing (a única chinesa no ranking, que ocupa o quinto lugar), Charlize Theron (sexto lugar), Amy Adams (sétimo lugar), Julia Roberts (oitavo lugar) e Deepika Padukone (estrela de Bollywood, que fecha a lista).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.