Jay-Z admite que traiu Beyoncé e que está a fazer terapia

Rapper confessa que se fechou sobre si mesmo e, para sobreviver, deixou de ter emoções

Jay-Z admitiu que traiu Beyoncé. O rapper abriu o jogo e adiantou que está a fazer terapia para aprender a lidar com coisas do passado que o faziam fechar-se sobre si mesmo e que o levaram a várias atitudes, entre elas a infidelidade.

"Tens de sobreviver e entras em modo de sobrevivência, e quando o fazes o que é que acontece? Fechas todas as emoções. Até mesmo com mulheres, fechas-te emocionalmente e não te podes ligar", diz Jay-Z numa entrevista à The New York Times.Style Magazine. O rapper conta que não se consegue relacionar devido à forma como se sente em relação a si mesmo. "É profundo. E tudo acontece a partir daí: infidelidade...", confessa.

Jay-Z diz que começou a fazer terapia e que cresceu imenso com essa experiência. "Mas acho que o mais importante que alcancei é que agora está tudo ligado".

Os trabalhos discográficos do músico e de Beyoncé são claros relativamente à crise matrimonial que o casal viveu. "Estávamos sentados no olho do furacão. E foi desconfortável", diz, revelando que conversaram muito e que, no final, ambos têm muito orgulho no trabalho um do outro.

Para o rapper a elevada taxa de divórcio acontece porque as pessoas não conseguem olhar para a dor que provocaram no outro. "O mais duro é ver o sofrimento que causaste na cara de outra pessoa e depois teres de lidar com isso", afirmou, dizendo que a música funcionou como espécie de terapia e que fazê-la em conjunto ajudou a ultrapassar a crise no casamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.