"As mulheres não vão ser mais controladas, manipuladas e abusadas"

Janet Jackson está com "mulheres e homens" contra a discriminação

Nos últimos prémios Billboard o prémio Ícone foi para Janet Jackson, que aproveitou o momento para dizer que o que se vive nesta altura é "glorioso", referindo-se depois aos vários "desafios" que as mulheres enfrentam e a movimentos como o #MeToo.

"Finalmente, as mulheres deixaram claro que não vão ser mais controladas, manipuladas e abusadas. Eu estou com essas mulheres e com os homens que também estão revoltados com a discriminação e nos apoiam com o coração e com a mente", afirmou a cantora de 52 anos, citada pela BBC.

Em 1986, quando lançou o disco "Control", Janet Jackson já abordava temas como o feminismo e a identidade. Também já cantou sobre violência doméstica em músicas como "What About" e "Lessons Learned".

"A minha esperança é que, com tanto 'barulho', voltemos à fonte de toda a calma, que é Deus. Tudo o que nos falta, Deus tem em abundância: compaixão, sensibilidade, paciência e amor sem limites".

Janet Jackson é a sétima pessoa a vencer o galardão Ícone nos prémios Billboard, depois de Prince, Stevie Wonder, Celine Dion, Cher, Neil Diamond, e Jennifer Lopez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.