Jane Fonda revela que foi violada e vítima de abuso sexual na infância

Atriz deu entrevista a Brie Larson, publicada numa revista digital

Jane Fonda revelou em entrevista que foi violada e vítima de abusos sexuais em criança. A atriz oscarizada, filha de Henry Fonda, fez as revelações numa entrevista publicada na The Edit, revista digital da Net-A-Porter, loja online de moda de luxo.

A entrevista foi conduzida por outra atriz, Brie Larson, que no ano passado venceu o Óscar da Academia na categoria de melhor atriz. Jane Fonda, que tem 79 anos, revela como cresceu numa comunidade dominada pelos homens e que chegou a perder um emprego porque rejeitou os avanços sexuais do patrão. "Para te mostrar o quanto um sistema patriarcal faz sofrer as mulheres: fui violada, fui abusada sexualmente quando era criança, fui despedida porque não dormi com o meu chefe e sempre achei que era culpa minha, que não tinha dito ou feito a coisa certa", contou Fonda. "Conheço jovens que foram violadas e nem sequer sabem que foi violação".

A atriz, ativista há longos anos pelos direitos das mulheres e apoiante de várias associações de apoio às vítimas de abusos sexuais, já tinha revelado em 2014 que a mãe, Frances Ford Seymour, sofrera abusos sexuais quanto tinha apenas oito anos, tendo acabado por se suicidar aos 42.

Condenando o sistema patriarcal, Fonda referiu também que foi de tal modo condicionada enquanto crescia que desenvolveu a "doença para agradar". "Uma das melhores coisas que fizeram os movimentos de mulheres foi fazer-nos compreender que [a violação e abusos] não são culpa nossa", sublinhou.

Na mesma entrevista, Jane Fonda acrescentou que as atrizes mais jovens devem agora sentir-se "aterrorizadas" devido à exacerbada sexualização da mulher. "Tens de te despir tanto. Ainda há maior ênfase no aspeto", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".