Jane Fonda revela que foi violada e vítima de abuso sexual na infância

Atriz deu entrevista a Brie Larson, publicada numa revista digital

Jane Fonda revelou em entrevista que foi violada e vítima de abusos sexuais em criança. A atriz oscarizada, filha de Henry Fonda, fez as revelações numa entrevista publicada na The Edit, revista digital da Net-A-Porter, loja online de moda de luxo.

A entrevista foi conduzida por outra atriz, Brie Larson, que no ano passado venceu o Óscar da Academia na categoria de melhor atriz. Jane Fonda, que tem 79 anos, revela como cresceu numa comunidade dominada pelos homens e que chegou a perder um emprego porque rejeitou os avanços sexuais do patrão. "Para te mostrar o quanto um sistema patriarcal faz sofrer as mulheres: fui violada, fui abusada sexualmente quando era criança, fui despedida porque não dormi com o meu chefe e sempre achei que era culpa minha, que não tinha dito ou feito a coisa certa", contou Fonda. "Conheço jovens que foram violadas e nem sequer sabem que foi violação".

A atriz, ativista há longos anos pelos direitos das mulheres e apoiante de várias associações de apoio às vítimas de abusos sexuais, já tinha revelado em 2014 que a mãe, Frances Ford Seymour, sofrera abusos sexuais quanto tinha apenas oito anos, tendo acabado por se suicidar aos 42.

Condenando o sistema patriarcal, Fonda referiu também que foi de tal modo condicionada enquanto crescia que desenvolveu a "doença para agradar". "Uma das melhores coisas que fizeram os movimentos de mulheres foi fazer-nos compreender que [a violação e abusos] não são culpa nossa", sublinhou.

Na mesma entrevista, Jane Fonda acrescentou que as atrizes mais jovens devem agora sentir-se "aterrorizadas" devido à exacerbada sexualização da mulher. "Tens de te despir tanto. Ainda há maior ênfase no aspeto", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.

Premium

Bernardo Pires de Lima

70 anos depois

Desde 2016 que os dois principais aliados atlânticos de Portugal estão numa deriva deslegitimadora das duas organizações pilares das democracias europeias. Reino Unido e EUA têm infligido uma pressão colossal na UE e na NATO, enquanto protagonizam um triste espetáculo interno de autoflagelação política. Até quando será suportável aguentar tudo isto em simultâneo? Em ano de pressão eleitoral, estaremos conscientes dos seus efeitos sistémicos?