Já pode pedir (e comer) este vestido de Gaga num restaurante

Um restaurante chinês criou uma réplica do famoso vestido de carne crua usado por Lady Gaga nos MTV Video Music Awards de 2010

Foi certamente a indumentária mais polémica e comentada na cerimónia de 2010 dos MTV Video Music Awards. Agora, qualquer pessoa pode encomendar e comer uma réplica do famoso vestido de carne crua que Lady Gaga usou no evento.

A iniciativa é de um restaurante em Pequim, na China, que decidiu incluir na sua ementa uma versão da criação do estilista Franc Fernandez. Quem pedir este novo "petisco", recebe na sua mesa uma boneca semelhante à cantora norte-americana, com um vestido composto de peças de carne que são depois cozinhadas pelo cliente num hot pot, o chamado fondue chinês.

Segundo conta a revista Time, da mesma forma que o vestido de Lady Gaga deu que falar na cerimónia da MTV há seis anos, também esta adaptação do restaurante chinês tem levantado algumas dúvidas e críticas, com acusações de "sexismo" e de "falta de higiene".

A excêntrica peça de Franc Fernandez, feita com carne bovina proveniente da Argentina, esteve em 2015 em exposição no museu do rock de Cleveland, nos EUA, para assinalar os cinco anos da sua passagem pela passadeira vermelha dos Video Music Awards.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.